DICAS PARA UMA REFORMA COMERCIAL

Para que a reforma do seu estabelecimento não se torne uma grande dor de cabeça, especialistas recomendam planejamento. O medo de que a obra demande mais tempo e dinheiro do que o planejado é muito comum entre os empreendedores. Para que isso não aconteça, o ideal é se cercar de especialistas, estudar a legislação local e estar disposto a enfrentar imprevistos.

Buscando soluções e dicas para quem está pensando em abrir um estabelecimento ou apenas reformular o seu negócio, conversamos com Barbara Kemp, fundadora da Kemp Oficina de Projetos, que gerencia obras, e Marcio Gifford, da Gifford Arquitetos, negócio especializado em obras de redes de franquias.

Confira as dicas:

1. Saiba onde está pisando

“Qual é o seu segmento? Você vai abrir um restaurante ou uma loja de sapatos? Isso faz toda diferença na equipe da obra”, afirma Barbara. Antes de contratar profissionais, como engenheiros e arquitetos, o empreendedor deve verificar os trabalhos que esses profissionais já conduziram. Dessa forma, fica mais fácil entender quem está trabalhando com você.

2. Pesquise e procure especialistas

Para Gifford, a pesquisa mais importante deve ser feita antes mesmo de assinar contrato. Na sua visão, ouvir a opinião do arquiteto e do engenheiro civil neste momento facilita a planejar os custos e mesmo avaliar melhor o projeto. Na visão da arquiteta, é imprescindível se cercar de especialistas em uma reforma. “É melhor do que errar porque não sabia fazer sozinho e depois ter que refazer”, diz Barbara.

3. Diversifique

Mesmo assim, a especialista recomenda que a obra não seja centralizada nas mãos de um técnico especifico. “É você deixar o lobo cuidando do galinheiro. A ideia do empreiteiro é gastar mais, porque aí ele ganha mais. Então tem que tomar cuidado.” Na mesma linha Gifford acredita que uma equipe pode ser mais eficaz para a execução da obra. “Meus marceneiros são grandes auxiliares nas obras que coordeno. Somos uma equipe”, diz.

4. Faça um cronograma

Faça uma lista com as etapas da reforma, estipulando um cronograma de entrega. Segundo Barbara, um modo de funcionamento interessante é pagar os funcionários semanalmente, de acordo com a produtividade.

5. Conheça a lei (ou procure quem conheça)

Conhecer a lei da região em que está querendo abrir o seu negócio é um fator chave para o sucesso. Consultando os órgãos regulatórios, os empreendedores conseguem saber se as mudanças que serão realizadas no imóvel estão dentro da legalidade. Um exemplo apontado por Barbara e Gifford é o da lei da acessibilidade, que exige delicadas modificações nos imóveis, como a instalação de rampas de acesso e sanitários para deficientes físicos nos ambientes.

6. Muito cuidado com a elétrica

Conheça e avalie as instalações elétricas dos seus imóveis, que normalmente exigem muito pela quantidade de aparelhos. “A parte elétrica é um ponto crucial do empreendimento e deve ser verificada com antecedência para não atrapalhar o andamento das obras”, diz. Barbara.

7. Não minta para os seus clientes

Um cuidado recomendado pela arquiteta é com o anuncio da data de retorno das atividades do estabelecimento. “Se o serviço não for concluído até esse exato dia, o empreendedor terá que arcar com custos adicionais, como o pagamento de funcionários, e ainda poderá se desgastar com o cliente.”

8. Mantenha uma reserva

Segundo Barbara, deve-se reservar 10% do valor investido na obra para reservas. “Tem gente que gasta tanto e fica tão estressado que não quer nunca mais olhar para uma obra. Mas isso é falta de planejamento. Imprevistos acontecem”, diz Gifford, que ressalta que os empreendedores devem estar preparados para gastar mais com suas reformas.

Gostou deste conteúdo e quer ficar por dentro de outras dicas de reformas e construções? Então, não deixe de assinar a nossa newsletter!

Fonte: Revista Pequenas Empresas e Grandes Negócios

Confira 10 dicas para planejar e concluir uma reforma sem sofrimento

1 – Planeje sua reforma e gastos – Contratar um projeto pode salvar sua obra e seu bolso! No papel, todos os itens devem estar especificados, desde o modelo das luminárias até a quantidade, tipo e paginação dos pisos. Com isso definido em papel, você poderá ter uma tomada de preços mais eficiente e economizar na hora de contratar, pois terá garantido que o orçamento está sendo feito a partir de uma ideia definida.

O tempo de projeto é proporcional ao tamanho da obra e leva, no mínimo, um mês e meio para ser concluído com qualidade. Colocar tudo no papel antes de começar a contratar e gastar com a obra lhe dará a dimensão de tudo e evitará surpresas desagradáveis, como decidir um revestimento ou modelo de torneira enquanto o prestador espera parado na obra ou gastar muito com os prestadores e não ter verba para comprar os móveis, por exemplo.

Orçar a obra dá trabalho, mas traz muitas economias. Alguns escritórios já entregam uma planilha com o projeto orçado de ponta a ponta (desde a mão de obra até os eletrodomésticos). Esta planilha é importante para se ter uma ordem de grandeza do gasto e saber o que é possível fazer na hora de executar. Pode ajudar a filtrar alguns itens, substituir algumas especificações ou negociar valores para atingir uma meta de gastos.

2 – Procure um profissional com antecedência – O planejamento e o projeto exigem um tempo de desenvolvimento e devem entrar no planejamento do prazo da obra.

Se você quer ter uma piscina linda no verão, comece a planejá-la em meados de junho. Se pretende ter um gazebo com lareira, pode iniciar o projeto em pleno verão.

Além disso, atenção ao contratar, procure sempre pessoas capacitadas. O faz-tudo, em geral, não é a melhor opção, pois não é especializado. Pesquise em lojas conceituadas ou com amigos que já contrataram algum serviço.

3 – Pesquise preços de materiais antes do início da obra – Faça isso especialmente com os materiais de acabamento e leve em consideração que vai gastar, em média, a mesma quantia com mão de obra.

4 – Monte um cronograma – O serviço de administrar uma obra vai muito além de comprar os materiais que os prestadores solicitam. Antes do início, vale reunir todos os envolvidos e questionar prazos e o que poderá ocorrer em caso de eventuais intempéries. A compatibilização dos serviços também é essencial para a realização deste cronograma.

Uma obra simples tem sempre uma logística dos serviços a serem realizados: comece pela demolição, entre com as alterações elétricas, projeto de iluminação, forro de gesso, regularização ou assentamento do piso e marmoraria, instalação das luminárias, masseamento e primeira demão de pintura, marcenaria, finalização dos acabamentos e encerre pelo retoque de pintura e instalação de adesivos e papel de parede.

Fora isso, evite iniciar uma reforma no final do ano. Essa não é a melhor época para iniciar uma reforma. Muitas lojas param de atender já em meados de dezembro. Se a obra é realizada em área externa deve-se, obviamente, evitar os meses de chuva, como na primavera e no verão.

5 – Esteja por dentro de todos os prazos – Se você pretende montar a marcenaria é necessário contar com o fechamento do pedido e conferência das medidas ao menos 60 dias antes da data prevista de montagem. Assim como a marcenaria, cada serviço tem um prazo para o fornecimento dos produtos e todos os fechamentos devem ser compatibilizados com a planilha de execução. Assim você poderá cobrar a entrega a partir do prazo do fornecedor. Nem tudo é fornecido no mercado a pronta entrega e planejar as janelas de fechamento e instalação é essencial para que a obra não fique parada.

6 – Fique atento às adversidades – Mesmo montando o cronograma, é muito difícil estabelecer prazos para o término da obra quando falamos em reforma, porque situações inesperadas podem acontecer. Por exemplo, pode haver a indisponibilidade de algum produto, falta de mão de obra, atrasos nos prazos de entrega de fornecedores ou mesmo algum imprevisto no imóvel, como um problema não aparente.

7 – Transtornos fazem parte da reforma – Se você pretende reformar sem desocupar o imóvel é bom ter plena ciência de que morar numa obra tem muitos inconvenientes, como pessoas o tempo todo circulando pelo imóvel, poeira e o impedimento de circulação em alguns cômodos da casa.

8 – Evite colocar vários fornecedores trabalhando juntos – Isso não é bom. Dificulta o controle da qualidade dos trabalhos e muitas vezes um acaba prejudicando o trabalho do outro.

O ideal ao receber um prestador de serviço é especificar detalhadamente o que cada fornecedor vai fazer, elabore uma lista e peça para o contratado assinar.

E não esqueça! Guarde os contratos, todas as notas fiscais de compras, recibos e orçamentos para evitar dores de cabeça.

9 – Reparos de infraestrutura – Os reparos com infraestrutura como alvenaria, hidráulica, colocação de gesso etc. ou qualquer outro serviço que gere algum tipo de sujeira deve ser feito no início da obra. Os trabalhos com acabamento como pintura, laqueação de móveis, colocação de pisos de madeira ou decoração ficam por último, como mencionado no item 4.

Exija limpeza no decorrer do trabalho. Pois, obra limpa é obra segura. Organize também o espaço para guardar o material para evitar desperdício.

Outro etapa importante é a limpeza pós-obra. A faxina de obra deixa o local habitável e pronto para receber os móveis e moradores. Tirar massa-corrida, rejuntes, respingos de tinta, adesivos de louças e cubas, limpar e aspirar o quadro de luz e os trilhos de portas e janelas fazem parte de uma limpeza específica, diferente de uma faxina de manutenção.

10 – Mudança e organizer – Esses serviços são mais uma comodidade para quem quer apenas mudar e usufruir do novo espaço. Empresas especializadas em empacotar, transportar e desempacotar ajudam a evitar o transtorno de uma mudança com muitos itens. O serviço de organizer auxilia a colocar a casa em ordem e ocupar os armários de forma organizada para começar o uso do espaço novo com o pé direito.

E sabe onde você encontra tudo isso? Aqui na Faz Tudo! Entre em contato conosco!

Fonte: Revista Zap