As metragens mínimas para sala, quarto, cozinha e banheiro

Circulação: especialistas apontam as metragens mínimas para garantir a melhor distribuição e a passagem sem esbarrões

Quem nunca se viu espremido entre a mesa e a cadeira para outra pessoa conseguir passar atrás? Essa é uma das situações mais emblemáticas do mau dimensionamento de ambientes e dos itens que os compõem. Mas pode-se escapar do problema: antes de montar a casa, saque a fita métrica, meça móveis e paredes e se certifique de que restará espaço para transitar. “É preciso criatividade, pois as moradias estão cada vez menores”, diz a arquiteta Elisa Gontijo. Assim, não há como seguir à risca a ergonomia ideal apontada em livros de arquitetura, e as metragens variam de acordo com as particularidades. “Porém, existem distâncias mínimas a serem praticadas”, enfatiza o designer de interiores Roberto Negrete. Para que você saiba como pôr em ordem os cantos mais apertados, montamos layouts de quatro cômodos, tomando como base móveis e eletrodomésticos de tamanho padrão e respeitando o mínimo exigido de área livre. Atenção: as ilustrações mostram portas de 80 cm de largura, pois essa medida permite a passagem de cadeirantes. Mas, em imóveis prontos, geralmente as passagens são menores: 70 cm em quartos e 60 cm em banheiros.

Disposição eficiente nas salas de estar e jantar

– Portas: a de entrada no imóvel costuma ser a mais larga, com 80 cm. Neste e nos demais ambientes, é fundamental deixar desimpedido o ângulo da abertura – só dispense essa recomendação no caso de modelos de correr.

– Circulação: 60 cm bastam para uma pessoa transitar sem aperto, portanto, tente manter essa medida em todas as áreas de passagem. Se receber a visita de um cadeirante, você precisará afastar os móveis.

– Jantar: a mesa quase encostada na parede libera mais espaço para a movimentação e possibilita até mesmo que um aparador ocupe a parede em frente, deixando uma largura disponível de 1,35 m. Note que entre um dos pares de cadeiras e a parede atrás dele sobram 60 cm, intervalo que proporciona conforto quando alguém se senta ou se levanta – caso as cadeiras tenham braços, aumente essa distância em 20 cm. Do lado oposto, a outra dupla de assentos está de costas para o acesso aos quartos. Por essa razão, ali deve ser deixado um caminho de 80 cm, a fim de não prejudicar a circulação mesmo quando alguém empurrar a cadeira para trás.

– Estar: para incluir uma mesa de centro em salas estreitas, só abrindo mão do padrão recomendado de 60 cm livres. Entre a mesinha e o sofá, e entre ela e a poltrona, a distância mínima aceitável é de 40 cm – ainda assim, será preciso passar de lado caso alguém esteja sentado. Se o rack tiver gavetas, que se estendem por cerca de 30 cm quando abertas, você necessitará deixar um intervalo maior, de 50 cm, desse móvel até a mesa.

– Sofá: entre o braço do estofado e a parede vizinha devem restar 10 cm, respiro suficiente para abrigar a cortina. A mesinha lateral também fica afastada alguns centímetros.

Cozinha: a área de trabalho determina os intervalos

– Circulação: estabeleça um corredor de 1 m de largura sem barreiras. A distância supera a de outros cômodos para garantir a mobilidade de duas pessoas – enquanto uma usa a bancada, a pia ou o fogão, a outra transita com segurança, já que muitas vezes é necessário carregar louças e pratos quentes.

– Portas: por causa dos eletrodomésticos, as aberturas nesse ambiente costumam medir 80 cm. Nesta planta, a porta de entrada e a da geladeira não podem ser movimentadas ao mesmo tempo. Na prática, isso não costuma ser um problema pois, no dia a dia, é comum que a cozinha permaneça aberta, com a porta encostada na parede lateral. Se preferir, adote um modelo de correr, como foi feito no acesso à lavanderia, junto do fogão.

-Eletrodomésticos: tenha atenção redobrada às posições da geladeira e do fogão. Como esses equipamentos geram calor, que precisa ser dissipado, não podem ficar encostados nas paredes nem nos móveis adjacentes. O manual técnico de cada produto informa os distanciamentos específicos, mas, de modo geral, o vão sugerido por nossos consultores é a partir de 10 cm de cada lado.

– Fogão: quando o forno está aberto, é importante que restem livres 65 cm ou mais para que se consiga agachar, tirar o recipiente do interior e levantar sem o risco de esbarrões.

O quarto pede corredores de 60 cm

– Cama: nas duas laterais, preserve a passagem mínima de 60 cm. Em uma planta como esta, essa largura possibilita que o morador se sente para calçar os sapatos e ainda admite dois criados-mudos, com folga entre o colchão e a parede.

– Guarda-roupa: mantenha também 60 cm desimpedidos à frente dele. Cada folha de um armário de três portas pede cerca de 45 cm quando aberta, e as gavetas podem chegar a 40 cm. Se optar por um modelo com profundidade maior, ele deve contar com portas de correr.

Banheiro pequenino, porém funcional

– Porta: em geral, mede 60 cm, abertura inviável para quem depende de cadeira de rodas. Com uma planta estreita e alongada – a exemplo desta, usual em apartamentos novos –, o banheiro tem de estar fechado para que se possa abrir a porta do gabinete da pia. O vão de entrada do ambiente determina a profundidade do móvel: já que previmos uma porta acessível, de 80 cm, a bancada fica com no máximo 48 cm.

– Vaso sanitário: os 60 cm entre ele e a parede oposta garantem o acesso ao boxe. Cada lateral da bacia deve distar ao menos 30 cm dos elementos vizinhos, o que dá mais conforto ao usuário e permite apoiar uma lixeira e uma papeleira no piso.

– Área de banho: 90 cm é a largura mínima para o boxe. Assim, o morador se agacha e se movimenta livremente enquanto se ensaboa, lava o cabelo e se enxuga.

Gostou do post? Gostaria de realizar um orçamento? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

Fonte: Casa

5 ideias incríveis para usar em cozinhas pequenas

 

Se menos é mais, quem tem uma cozinha pequena pode se dar bem. Com apartamentos cada vez menores, é crescente a quantidade de soluções inteligentes capazes de tornar qualquer cômodo da casa mais aconchegante e funcional.

 

1 – Escorredor na parede é uma ótima alternativa

Em vez de ocupar mais um espaço com o seu escorredor, pendurá-lo na parede acima da pia é uma boa solução. O melhor é que os escorredores disponíveis no mercado são acessíveis e têm um visual discreto e bacana.

 

2 – Tudo no ar

Além do escorredor, sabe aquelas espátulas, escumadeiras e utensílios que ficam mal acomodados nas gavetas? Você pode pendurá-los em barras fixadas na parede e economizar espaço nas gavetas. O mesmo vale para xícaras e canecas, que ocupam bastante espaço nos armários. Assim, você deixa sempre à mão os utensílios que usa diariamente. Que tal?

3. Soluções para os armários

Na parte interna das portas dos armários é possível instalar suportes, por exemplo, para guardar papéis, materiais de limpeza, etc. Mini prateleiras e caixas organizadoras também são funcionais, pois ajudam a criar mais espaço nos armários. Neles, você pode montar, inclusive, uma ferramenta para pendurar panelas e mantê-las juntas.

4. Prateleiras para ajudar

Sabe aquele espaço  que fica livre? Ali, você pode montar prateleiras extras para colocar objetos que não utiliza sempre. Uma ótima ideia!

 

 

5. Cores que ampliam

Você já sabe que a cor branca reflete melhor a luz e faz o ambiente parecer maior do que ele realmente é. Cozinhas em que predominam cores claras, no geral, tendem a ganhar nesse aspecto. Investir em puxadores discretos também ajuda a trazer homogeneidade e amplitude ao ambiente.

Essas ideias são o máximo. Não vemos a hora de pôr em prática!

Gostou do post? Gostaria de realizar um orçamento? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

 

Fonte: Saint Gobain

REFORMA E DECORAÇÃO: DICAS DE OURO

Está pensando em reformar? Muita atenção ao planejamento que antecede a decoração. Isso porque é necessário levar em consideração a análise adequada de cada espaço, ambiente e objeto decorativo.

Para ajudar você nessa tarefa, separamos algumas dicas primordiais, com pleno destaque às medidas. Por exemplo: você sabe qual é a altura ideal da pia do banheiro?

 

1. Lembre-se: o primeiro passo é medir todos os espaços

Antes de ir à loja, meça com a trena o tamanho dos móveis e a distância necessária entre eles para conseguir circular. Nunca confie somente na sua percepção visual, senão você pode acabar comprando um sofá que não cabe na sala.

2. Dança das cadeiras

 

Para garantir uma boa circulação, as cadeiras da mesa de jantar precisam de um recuo mínimo de 60 cm. Se você não tem esse espaço, opte pelo uso de bancos encostados na parede.

3. Cortinas exigem espaço

Deixar um vão muito pequeno no forro de gesso para instalar a cortina é um risco, porque o espaço necessário varia de acordo com o modelo escolhido. Cortinas com trilho precisam de, no mínimo, 10 cm de vão. Já a romana pede uma distância de 12 cm ou mais.

4. O tamanho da porta

 

 

A porta de entrada deve ser a mais larga de todas, com no mínimo 80 cm para permitir a entrada de móveis e compras.

5. Tomadas

Existe um padrão para a altura de interruptores e tomadas – o interruptor deve ser instalado a 1,10 m de altura, e a tomada, a 30 cm do chão.

6. Medidas básicas

 

 

Para garantir uma boa noite de sono, o cuidado com a circulação no quarto deve ser redobrado. A distância da cama até a parede ou até o armário deve ser de, no mínimo, 70 cm, e a altura da cama deve variar de 45 a 55 cm.

7. Passado e engomado

Os armários com portas comuns devem ter, no mínimo, 55 cm de profundidade. Já os com porta de correr, 60 cm. Medidas inferiores a essas farão com que suas roupas fiquem amassadas.

8. A cuba ideal

 

 

Sobreposta, de semi encaixe ou de encaixe. Escolha a cuba antes de reformar o banheiro, porque ela influencia a altura do ponto de água e da bancada, que deve ficar a 85 cm do chão. Dependendo do modelo, a bancada deve ficar mais baixa.

9. Coifa segura

A distância mínima entre a coifa e os queimadores do fogão é de 65 cm para os fogões elétricos. No caso de modelos a gás ou combinados, a distância pode variar de 70 a 80 cm – em nenhum dos casos ultrapasse os 80 cm. O ponto de energia deve ficar no centro da instalação da coifa, a 2,20 m do piso, ou vir pelo forro de gesso, passando por dentro do duto.

10. Pia na altura certa

 

 

Quando se fala em ergonomia, qualquer centímetro faz muita diferença. Não subestime uma diferença de 5 cm, por exemplo, porque é isso que vai proporcionar conforto ou não. A bancada da cozinha, em geral, deve ter 90 cm de altura.

Dicas bem espertas, não é mesmo?

Mas, a nossa principal sugestão é: analise bem as suas economias e veja se não é possível contratar um profissional para ajudar na reforma. O investimento vale à pena para que tudo fique do jeito que você sempre sonhou!

Gostou do post? Gostaria de realizar um orçamento? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

Fonte: Casa e Jardim

6 dicas para iluminar ambientes com paredes escuras

Paredes escuras esbanjam personalidade. Para você não ter medo de ousar nas cores, as dicas abaixo te ensinam a decorar ambientes com superfícies de tons fechados, sem comprometer a iluminação

 

 

Um cômodo com paredes escuras não é sinônimo de um ambiente pouco iluminado. Apesar do branco refletir a luz, os tons fechados também devem ter a sua vez dentro de casa: eles são ótimos para dar personalidade e fugir do comum. Superfícies cobertas com tintas em nuances como azul-marinho, chumbo e até preto podem ser versáteis, sim! As dicas abaixo vão te ajudar a clarear e refrescar ambientes do tipo.

 

1. Toques de cores claras e vivas

Tapetes, móveis e até acessórios claros podem contrapor paredes escuras, deixando o cômodo mais moderno. Você pode se jogar no off-white sem medo, mas as nuances mais alegres e ousadas ajudam a trazer vida. Não estamos dizendo que você não pode apostar em peças de cores fechadas na decoração, porém elas tendem a ficar melhor em espaços com bastante luz natural.

 

 

2. Não pinte tudo

Se você teme um visual pesado, não complete as paredes do teto ao chão. Aposte em boiseries e relevos para trazer leveza e não escurecer tanto o ambiente, mas deixe a cor dominar a maior parte da superfície para que ela seja protagonista na decoração.

 

3. Cortinas permeáveis

Abuse de toda a luz natural que você tiver disponível. Mas, caso você precise de um pouco de privacidade, opte por cortinas com tecidos permeáveis e leves, que deixem a claridade passar, mesmo quando fechadas. No caso dos dormitórios que precisam do modelo blackout, opte pelas persianas, uma vez que, quando abertas, elas ficam bem disfarçadas, próximas ao teto.

 

 

4. Combinação com papel de parede

Aposte em uma superfície escura lisa e outra com papel de parede. Mesmo que a estampa também seja fechada, eles são responsáveis por trazer vida para o cômodo, tirando-o da monotonia. Para alcançar a combinação prefeita é necessário sobrepor diferentes opções. Uma dica é optar por cores com a saturação aproximada.

 

5. Iluminação indireta

Pendentes variados, arandelas e luminárias ajudam a criar cenários aconchegantes dentro de casa. Caso você tenha um teto claro com a parede escura, opte por acessórios que emitam a luz para cima, uma vez que a claridade chegará na extremidade mais alta e será refletida para o resto do cômodo. O trilho eletrificado com spots também é uma boa saída, uma vez que as lâmpadas ficam voltadas para diferentes regiões.

 

 

6. Vá de verde

Plantas refrescam não somente o ar, mas também o visual. Elas tornam os ambientes mais convidativos com muita leveza, trabalhando em contraponto com as paredes escuras. Escolha vasos bonitos e em tons vivos para colaborar com a tarefa.

 

Gostou do post? Gostaria de realizar um orçamento? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

Fonte: Revista Casa e Jardim

Veja dicas de como escolher entre modelos de paredes

Escolher entre os modelos de paredes é uma das etapas mais conhecidas e importantes de uma obra. As paredes são as responsáveis por dividir e organizar os ambientes, promover o isolamento térmico e acústico, além de protegerem a parte interna da edificação contra as intempéries.

Tratando-se de modelos de paredes, as pessoas geralmente pensam em “alvenaria de tijolos”, mas existem outras técnicas e matérias-primas para a construção de paredes que vale a pena você conhecer.

Separamos algumas informações valiosas sobre outros dois modelos de paredes muito usados atualmente, o drywall e o tijolo aparente.

Modelos de paredes de drywall

As paredes de drywall são aqueles modelos de paredes de gesso acartonado fixadas em perfis metálicos. Elas inclusive já ganharam o coração dos brasileiros e estão sendo cada vez mais adotadas em obras e reformas.

São poucas as pessoas que ainda resistem à praticidade desse sistema construtivo e questionam suas muitas vantagens. Ainda sim, duas dúvidas são muito frequentes no momento da escolha. Então, vamos resolvê-las:

Paredes de gesso aguentam peso?

A resposta é sim. No quesito resistência, a placa de gesso acartonado é capaz de suportar aparelhos pesados e muito mais. Inclusive, uma das maiores qualidades desses modelos de paredes é a ótima resistência a impactos e cargas suspensas, sendo ideal para ambientes internos e áreas secas.

Como funciona a instalação das paredes drywall?

A instalação de paredes de drywall deve ser feita por um profissional qualificado que entenda a necessidade de carga que sua parede precisa suportar, para então dimensionar o espaçamento entre um perfil metálico e outro, além de utilizar as buchas certas (buchas para paredes de gesso) na hora da fixação.

No caso dos modelos de paredes como as placas Habito, por exemplo, não é feito o uso de buchas. Por isso, não abra mão de encontrar um profissional capacitado para sua obra!

A descoberta de que uma tecnologia tão prática está ao seu alcance é animadora, não é mesmo? Mas essa não é a única alternativa à alvenaria tradicional, vamos conhecer agora os modelos de paredes de tijolo aparente.

Paredes de tijolo aparente

Ele encanta e surpreende logo no primeiro olhar. O tijolo aparente é um dos modelos de paredes que mais tem sido comentado ultimamente, ganhando de vez o coração de profissionais e entusiastas da decoração.

Ele combina com diversos estilos, do urbano industrial ao romântico cottage, sem jamais perder o charme. Se você também quer transformar as paredes de sua casa, confira as dicas a seguir e aprenda a usar o famoso revestimento tijolinho.

Crie composições incríveis!

Também conhecido por tijolo à vista, o tijolo aparente está entre os modelos de paredes mais rústicos, belos e originais. Eles permitem variação em cores, tamanhos e acabamentos.

Assim como na escolha pela pedra canjiquinha, é importante avaliar os tons e o estilo do ambiente para garantir que tudo fique harmonioso.

Você pode elaborar uma estética única com modelos do tipo tijolo comum, de demolição ou mesmo de cimento. Também é possível ter uma parede de tijolo aparente em locais externos, ambientes de passagem, como halls e corredores, ou, ainda, tijolinho aparente no quarto e na sala de estar, criando uma atmosfera acolhedora.

Cuidados na execução do tijolo aparente

Para o assentamento dos tijolos aparentes, a superfície deve ser nivelada. Você pode usar a multimassa uso geral e aplicar de forma a manter pelo menos 2 mm entre os tijolinhos.

Já o uso do rejunte permite opções, podendo ser aplicado de acordo com o estilo e o visual que você mais gosta.

Impermeabilização, uma etapa vital

Para esses modelos de paredes, tão importante quanto a aplicação é a impermeabilização, que é a responsável por garantir a facilidade na manutenção. A dica é realizá-la periodicamente, para manter as peças protegidas contra pó, água, fungos e outros agentes.

Além disso, impermeabilizar os tijolos ainda facilita a limpeza, destaca texturas e proporciona diferentes efeitos à superfície.

Antes de iniciar a impermeabilização, lixe as paredes com lixa 80 e limpe-as com jato de água para tirar a poeira e possíveis pontos de umidade, evitando manchas. Os impermeabilizantes mais indicados para essa fase são os vernizes à base de resina acrílica ou silicone líquido, que podem ser aplicados com uma trincha.

Aproveite a estrutura original!

Tire proveito de construções antigas, pois muitas são estruturadas com tijolos e são lindas! Além disso, é possível manter sua aparência original ou pintá-las com duas demãos de tinta látex ou acrílica branca, conferindo um estilo provençal. Antes, aplique uma camada de primer para que a superfície fique mais lisa!

Outro recurso que garante ainda mais personalidade ao cômodo é também deixar aparente a tubulação elétrica e até mesmo a hidráulica. Além de moderna, essa solução dá ao ambiente um jeito mais descolado e um apaixonante clima de loft.

Agora que você tem todas as informações para escolher entre esses dois modelos de paredes, que tal imaginar a decoração?

Gostou do post? Gostaria de realizar um orçamento? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

Fonte: Toca a Obra

Tem dúvida sobre acabamentos para casa? Veja 5 dicas para escolhê-los

Quem está construindo ou reformando tem que pensar em muita coisa, mas, sem dúvidas, escolher os acabamentos para casa pode ser uma das fases mais empolgantes de todo o projeto.

Isso porque os acabamentos são responsáveis pelo novo visual do lar e escolher cada item para ter o imóvel dos seus sonhos pode ser muito prazeroso. Além disso, é neste momento que você começa a deixar seu projeto com a sua cara!

Apesar do lado bom, escolher os acabamentos para casa também é uma responsabilidade e tanto.

Você já deve ter ouvido falar que estão entre os materiais mais caros da obra, não é mesmo? Eles também ficam ficam aparentes, influenciando no visual e no conforto dos moradores.

Além do aspecto estético, é preciso pensar na qualidade e durabilidade desses materiais – escolha muito bem eles, para que não seja preciso fazer uma nova reforma a curto prazo.

Quer saber como escolher entre os tipos de acabamento para casa sem errar? Confira 5 dicas que preparamos para você!

1. Principais materiais de acabamento para casa

O pedreiro fala uma coisa, o arquiteto outra, e você fica perdido na escolha dos materiais. Se identifica com essa situação? Não se preocupe, que estamos aqui para lhe ajudar.

Entenda mais sobre os principais nomes dos materiais que você vai encontrar ao escolher os acabamentos para casa:

Azulejo

É um dos mais simples e conhecidos revestimentos para pisos e paredes, especialmente para as áreas que precisam ser impermeabilizadas. Os azulejos podem ser de cerâmica, porcelana, tijolo, vinil e outros materiais.

Os tradicionais azulejos já podem ser substituídos por modelos mais modernos e criativos. Hoje em dia, é possível encontrar azulejos para todos os gostos e que se adaptam a projetos diversos.

Pastilhas

As pastilhas são um dos acabamentos para casa que têm uma função parecida com a dos azulejos, porém com um visual completamente diferente. A principal diferença está no tamanho das peças — as pastilhas geralmente medem entre 2 e 5 cm.

Ou seja, sabe aqueles revestimentos pequenos, geralmente coloridos e que são usados para dar um toque diferente ao ambiente? Essas são as pastilhas. Elas podem ser feitas de cerâmica, porcelana ou vidro.

Cerâmica

A cerâmica é a matéria-prima para muitos acabamentos para casa, especialmente para as pastilhas e azulejos. Ela tem o preço mais em conta quando comparada com outras opções, como o porcelanato.

A cerâmica é impermeável e fácil de limpar, sendo uma boa escolha para quem quer economia sem perder a funcionalidade e praticidade. No entanto, ela tem um aspecto mais rústico e as peças precisam ser instaladas com um espaçamento maior entre elas. Como resultado, a cerâmica deixa o rejunte mais aparente.

Porcelanato

O porcelanato geralmente é a escolha de quem quer dar um ar mais sofisticado ao ambiente. As peças podem ser instaladas bem próximas umas das outras, fazendo com que o rejunte praticamente desapareça.

Ele pode ser brilhante ou fosco e está disponível em várias cores. Uma boa dica é optar por um porcelanato mais escuro para os locais de grande circulação de pessoas, pois o material mancha com mais facilidade e a necessidade de limpeza constante pode se tornar um problema.

Cimento queimado

O cimento queimado é uma tendência da arquitetura atual e ajuda a dar um toque rústico ao ambiente sem perder a classe. É um revestimento relativamente barato, já que envolve basicamente areia, cimento e água.

O nome queimado não se refere a nenhum processo de queima, mas sim ao processo de jogar pó de cimento por cima da argamassa de cimento para ajudar no acabamento.

Madeira

Um dos materiais mais clássicos da construção, a madeira nunca perde seu charme. Quem optar por utilizar esse material em acabamentos para casa, precisa ficar atento à origem e à qualidade dele.

Além disso, dependendo do cômodo onde ela vai ser instalada, pode ser necessário fazer a impermeabilização para que a madeira dure mais tempo.

Laminados

Os laminados são uma alternativa mais barata à madeira maciça e caem muito bem no revestimento de pisos. Eles são boas opções, por exemplo, para quem não quer ter um piso frio nos quartos ou salas.

No entanto, vale a pena ficar atento a algumas desvantagens — os laminados não podem ser limpos com grandes quantidades de água e são menos resistentes que as madeiras e tacos. Por isso, evite instalá-los em locais com grande movimentação de pessoas e móveis.

Pedras

As pedras, tais como granito e mármore, também são excelentes materiais para enriquecer o acabamento. Como elas estão entre os tipos de acabamento mais caros do mercado, não precisam ser utilizadas em grandes quantidades.

As pedras são empregadas principalmente em detalhes, como em bancadas, soleiras, pias ou escadas.

Louças e metais

As louças e metais também entram na categoria de acabamento para casa. Aos escolher esses itens, priorize o conforto, a durabilidade e, claro, o estilo. Atualmente é possível encontrar pias e torneiras completamente não convencionais e que ajudam a dar um charme extra à sua casa.

Outro ponto importante aqui se refere à sustentabilidade. Priorize torneiras e descargas que utilizam menos água e ajudam na economia.

2. Fique de olho nas tendências

Ao escolher os acabamentos para casa, é preciso encontrar um meio termo entre apostar nas tendências e optar por itens duradouros. Deixe tendências mais extravagantes para móveis e acessórios que você pode trocar mais facilmente.

Para os acabamentos duradouros, prefira itens mais neutros e atemporais. No entanto, isso não quer dizer que você precisa ter um acabamento sem graça. Pelo contrário, existem muitos estilos e tendências que você pode adotar, tais como:

Estilo industrial — aposta em itens mais rústicos como cimento queimado, luminárias de aço e tubulações aparentes. É uma boa escolha para quem prefere um visual minimalista;

Tipos de acabamento retrô — utiliza cerâmicas desenhadas, tijolinho e outros itens que já foram sucesso no passado;

Revestimentos 3D — revestimentos que fogem do padrão normal de superfície plana e lisa. Oferecem texturas e relevos diversos, e podem ser usados em uma parede ou área pequena para incrementar o visual;

Formas geométricas — listras, hexágonos e diversas formas geométricas também são uma tendência bastante atual;

Iluminação em LED —– as lâmpadas LED são muito mais econômicas e duráveis, e estão presentes na maioria dos projetos atuais.

3. Não descuide da qualidade

Ao escolher acabamentos para casa, escolher o item mais barato pode ser tentador. No entanto, vale lembrar que o preço mais baixo pode estar ligado a uma qualidade também inferior.

É verdade que os acabamentos são um dos itens mais caros da obra, mas a durabilidade deles é essencial. Um material de boa qualidade será mais rápido e fácil de aplicar na obra, evitando desperdício e gastos extras com mão de obra.

Depois de instalados, a qualidade do material vai determinar sua durabilidade e aparência. Se comprar um item de baixa qualidade, há grandes chances de que ele se deteriore rapidamente e você tenha que reformar a casa em pouco tempo. Ou seja, o barato pode sair caro.

Portanto, preze pela qualidade e escolha itens de acabamento para casas de marcas reconhecidas e aprovadas pelos profissionais e clientes.

4. Fique atento às medidas

Acertar nas medidas dos materiais de acabamento pode ser mais simples do que você imagina. Basta tirar as medidas das paredes e pisos que você pretende revestir. Em caso de paredes, meça a largura e a altura e multiplique os dois valores para obter a área em m². Para os pisos, você deve multiplicar a largura pelo comprimento.

Basta somar as áreas de cada parede ou piso e você terá o total de m² necessários para o revestimento. Compre cerca de 10% de material extra, pois sempre acontecem algumas perdas.

Ao comprar louças e metais, pense também no tamanho do banheiro ou cozinha onde eles serão instalados. Uma pia enorme pode parecer linda na loja, mas se ela for desproporcional ao banheiro não vai ficar legal.

Essa dica também vale para os móveis e itens de decoração — tudo que você comprar precisa ser proporcional ao espaço onde será instalado.

5. Adapte os acabamentos para as necessidades de cada cômodo

A escolha dos tipos de acabamentos para casa depende também do cômodo onde eles vão ser instalados. Por isso, veja agora algumas dicas para cada ambiente:

Quartos

Pedem materiais de acabamento mais aconchegantes e preferência por pisos menos frios. Laminados ou madeira são uma ótima escolha. Nas janelas, boas cortinas são fundamentais. Preferência por iluminação mais quente, menos branca.

Salas

Devem ser mais flexíveis, pois precisam se adaptar tanto para atividades de descanso, como assistir um filme, quanto para receber visitas, servir jantares etc. A iluminação deve, portanto, oferecer as duas possibilidades. Isso pode ser alcançado utilizando luminárias, lustres, spots de luz e lâmpadas diversas.

Para o piso, porcelanatos e azulejos são boas pedidas, assim como madeira e taco. Laminados não são a melhor escolha para salas de jantar, pois a movimentação constante das cadeiras pode danificar o material. Nesse caso, pense em adicionar um tapete grande no ambiente, protegendo o piso.

Cozinha e banheiro

Pedem revestimentos impermeáveis e funcionais e as pastilhas são uma ótima pedida para ajudar na decoração. No banheiro, tenha cuidado com os pisos que podem ficar escorregadios quando molhados.

Áreas externas

Varandas e jardins pedem materiais resistentes à chuva e ao sol, por isso, fique de olho na indicação do fabricante. Na área da piscina, cuidado redobrado para não optar por pisos escorregadios.

Enfim, escolher os acabamentos para casa é um trabalho grande, mas também pode ser prazeroso. Aproveite essa etapa para escolher itens que deixarão sua casa com a sua cara. Para acertar nas escolhas, busque, além da beleza, qualidade, durabilidade e funcionalidade.

Gostou do post? Gostaria de realizar um orçamento? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

Fonte: Toca Obra

Revestimento em 3D: conheça essa tendência

 

Você já ouviu falar no revestimento em 3D? E se eu te disser que ele está entre os mais requisitados pelo público? Quer entender o motivo? Então continue lendo o artigo que trouxemos para você.

 

 

Afinal, o que é o revestimento em 3D?

O revestimento em 3D nada mais é do que uma solução prática e acessível para quem deseja evitar grandes dores de cabeça na hora de transformar o ambiente. Chegando ao mercado para ficar, o modelo de parede se popularizou e desde então só tem ganhado mais adeptos à moda.

Como o próprio nome já diz, o revestimento é em 3D, portanto, formado por placas tridimensionais que causam sensações de movimento e profundidade para quem está olhando. Tão usados quanto os papéis de parede, os modelos 3D conquistam as pessoas através de seu designer inovador e que, mesmo simples, tem o poder de dar um toque especial na decoração do local.

 

Onde encontrar esse tipo de revestimento?

Basta fazer uma rápida pesquisa na internet ou até mesmo procurar uma casa de material de construção. Esse revestimento é fácil de ser encontrado e vem dentro de caixas que indicam a metragem quadrada que elas revestem, além de informações necessárias para a instalação.

Contudo, para que não haja contratempos, o ideal é sempre contratar um profissional especializado para que o serviço seja concluído com sucesso. Ele terá o conhecimento adequado para enaltecer a aplicação e valorizar o espaço.

 

Há restrições para o uso do revestimento 3D? Qual escolher?

A boa notícia é que eles podem ser utilizados em qualquer lugar, sem restrições. Porém, é importante ficar atento a ambientes mofados e úmidos. Existe uma variedade de opções quando se fala em revestimentos 3D, sendo assim, escolha um que tenha a sua cara.

Normalmente, o objetivo da maioria é transmitir uma sensação de aconchego, ao mesmo tempo em que desejam manter uma harmonia com o restante da decoração. Dessa forma, leve em consideração o tamanho do ambiente, bem como as cores predominantes. Por exemplo: se estivermos falando de um local pequeno e escuro, opte por revestimentos em 3D suaves. Preze pelo contraste e lembre-se que placas de cores claras e neutras não tem erro.

 

Mais vantagens sobre os revestimentos em 3D

Os revestimentos em 3D possuem placas em PVC que podem ser usadas por cima de azulejos. Sendo uma excelente alternativa para cozinhas e lavabos que são ambientes molhados. Seja qual for a placa em 3D, é fato que elas acrescentam um visual incrível, basta abusar da criatividade e deixar sua casa ainda mais linda.

 

Gostou do post? Gostaria de realizar um orçamento? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

 

Fonte: Geimper

Fuja da sujeira: saiba quais tipos de pisos sujam menos

No momento de escolher um piso para um ambiente ou para todo um projeto, há alguns pontos que devem ser levados em consideração, entre eles o conforto, a temperatura, a localização (cômodos, ambientes externos e internos), o material e a coloração de cada piso.

Entretanto, há um fator que geralmente fica implícito na hora da compra, mas que, se esquecido, pode causar arrependimento pouco tempo depois: como o piso se relaciona com a sujeira.

 

 

Por motivos de praticidade e aparência, seja no planejamento, construção ou reforma de um cômodo ou casa, a escolha de pisos que sujam pouco ou tendem a disfarçar a sujeira é quase uma tendência de interiores.

 

Pisos claros x pisos escuros

 

 

Nos pisos claros, a sujeira fica visível mais facilmente, enquanto nos escuros dá para disfarçar um pouco. Mas engana-se quem acha que, mesmo com pisos pretos, a sujeira não pode ser vista.

Principalmente em pisos pretos polidos e não-foscos, a sujeira pode ser observada, assim como marcas de pés e gorduras, e mesmo com sua cor escura ainda dará aquela impressão de que o ambiente não está bem limpo.

Pisos com tons de cinza ou bege são opções a se considerar, principalmente os que possuem veios e pigmentos, não dando tanto destaque à sujeira.

Mas se a melhor escolha é o claro ou o escuro, isso ainda depende de cada tipo de piso a ser usado.

 

Mármore e granito

 

 

Apesar de serem duas opções mais caras, essas são as melhores escolhas dentre os pisos que sujam pouco.

São impermeabilizadas e resistentes, e por serem pedras heterogêneas com diversas manchas naturais de outras cores, ajudam a disfarçar a maioria dos tipos de sujeira.

Na cozinha, recomenda-se o uso do granito, que é mais resistente e menos poroso que o mármore. É um ambiente propício a produzir mais sujeira, e o granito ajuda a disfarçar os farelos e a água respingada de uso cotidiano do local.

Além disso, a instalação desses pisos forma junta seca, com o rejunte fino. Assim, não há acúmulo de sujeira e os rejuntes claros não ficarão encardidos.

 

Porcelanato

 

 

O porcelanato é um piso rígido e não absorve água ou impurezas por ter baixa porosidade.

Assim como o mármore e o granito, as juntas formadas pelo rejunte são finas, evitando o acúmulo de sujeira.

Dentro de suas variedades, há porcelanatos com efeitos que imitam madeira, fibra natural e pedras; esta última opção sendo benéfica para disfarçar a sujeira do ambiente.

 

Porcelanato polido

 

 

Seu aspecto brilhoso surge junto a uma desvantagem – é um piso fácil de ser marcado pelos pés que passam por ele e aparenta a sujeira do chão. Entretanto, sua limpeza é prática e simples. Não é recomendado para cozinhas por ser o tipo de porcelanato mais sensível e delicado.

 

Porcelanato esmaltado

 

 

É resistente e fácil de limpar. Fica menos visível à sujeira e não cria manchas com o tempo. Recomendado principalmente para ambientes que tendem a molhar, como banheiros e áreas de piscina.

 

Cerâmica

 

 

Tanto o piso quanto as pastilhas de cerâmica disfarçam a sujeira, não mancham e são fáceis de limpar. Entretanto, o rejunte fica encardido com facilidade e sua resistência não é das melhore

 

Granilite

 

 

É muito usada em cozinhas e salas por não deixar a sujeira evidente e ser fácil de limpar. Se aparentar estar gasto, é um piso possível de restaurar. Você encontra desde opções discretas às mais coloridas.

 

Cimento queimado

 

 

É uma opção muito apreciada para pisos por não possuir rejunte, por isso sujar menos, e ainda ser de fácil limpeza. Entretanto, seu uso em cozinhas deve ser bem pensado, pois respingos de gordura podem manchar o revestimento.

Madeira

 

 

O uso da madeira vai depender principalmente da coloração. Quanto mais escura, mais difícil de aparentar a sujeira. Entretanto, se o tipo de madeira for brilhoso, facilita a aparição de sujeiras presentes no ambiente.

E aí, ficou mais fácil decidir qual piso utilizar na sua casa? Se ficou alguma dúvida, deixe aqui nos comentários!

 

Fonte: Home Teka

Novas lavanderias: dicas para otimizar espaço, acessórios

A revolução do lava e seca promete deixar essa área tão atraente quanto o restante da casa

 

Praticidade e estética andam juntas no planejamento das novas lavanderias. Para otimizar espaço e facilitar o lava e seca, reunimos algumas dicas.

1. Procure utilizar acabamentos similares aos da cozinha. Isso dá unidade ao projeto e valoriza a integração dos ambientes.

 

 

2. A lavanderia pode ser junto aos quartos, de onde sai a maioria da roupa suja. Outro bônus: longe da cozinha, não precisa isolá-la para evitar o cheiro de comida na roupa.

3. Se possível, invista em máquina de lavar com abertura frontal, que ocupa menos espaço e permite instalar um armário ou um varal para as roupas no espaço acima.

 

4. Como o chão da lavanderia é sempre molhado, priorize armário suspenso para evitar que estrague com a umidade.

 

 

5. Nos armários, as dimensões devem ser adequadas a produtos de limpeza e a eletrodomésticos. Deixe os nichos maiores embaixo e os menores em cima.

 

 

6. Ter uma boa janela na área é essencial para a secagem das roupas, evitando que elas mofem. Na falta de uma, pense em instalar um potente sistema de exaustão.

 

 

7. Em ambientes integrados, separe a lavanderia de outros ambientes, como a cozinha, com divisória retrátil de metal perfurado ou de ripado de madeira para manter a ventilação no local.

 

 

Gostou do post? Gostaria de realizar um orçamento para sua reforma? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

Fonte: Revista Casa e Jardim

Características Para Uma Construção Saudável

Para ter uma construção saudável, uma série de fatores se complementam. A importância dessa construção saudável está no simples fato dela te fornecer dias mais agradáveis, com um clima mais tranquilo, amenizando seu dia na escola, ou no trabalho, tornando possível a unificação da família, e com um cheiro agradável fornecer até mesmo a limpeza do seu interior. Um ambiente bem arejado e com uma bela vista, te fornece uma leveza somente explicada com a combinação dos itens abaixo:

CONFORTO ACÚSTICO

Para evitar ruídos vindos da rua e de outros lugares, uma casa acusticamente isolada é a solução ideal. Esses fato pode ser crucial para uma boa e relaxante noite de sono. Para alcançar essa vedação acústica serão necessárias janelas que tapem bem as entradas, pisos e revestimentos antirruídos.

VENTILAÇÃO

Ter uma ventilação cruzada pode ser uma das melhores maneiras para uma construção saudável. A renovação do ar é importante e pode ser realizada por um aparelho de ar-condicionado. Elementos que farão parte de sua casa requerem uma atenção especial pois emitem alguns compostos orgânicos voláteis que são prepuciais a saúde.

ILUMINAÇÃO NATURAL

A iluminação pode melhorar o astral de qualquer ambiente. Ambientes bem iluminados podem aumentar a performance dos seus estudos, do seu trabalho e diminuem até mesmo a sensação de cansaço que aumenta no dia a dia.

ARQUITETURA

A sensação e a conivência podem derivar da distribuição das cores no ambiente e da decoração feita na casa. Ambientes amplos são importantes, ainda mais ambientes integrados que incentivam a unificação dos moradores intensificando a sensação de aconchego e acolhimento.

LIMPEZA

A escolha dos produtos de limpeza faz uma diferença inimaginável no dia a dia, tenha sempre em mente usar produtos biodegradáveis e que não contém derivados do petróleo. Panelas de cerâmica são as melhores escolhas para compor seu ambiente.

Gostou do post? Gostaria de realizar um orçamento? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

Fonte: Reforma e Construção