Checklists: Ordem da Reforma

 

Está em um reforma, e não tem formação nenhuma de decorador, arquiteto ou afins? Então o check list abaixo é uma boa ideia. É uma ordem que funciona bastante bem. Esperamos que ajude no planejamento de vocês, e se tiverem dúvidas, é só deixar num comentário aí que vamos lhe responder.

 

1 – Alvenaria

Todo o quebra-quebra deve ser feito no início da obra. Se o piso for frio, deve ser feito nesta etapa também, assim como o rodapé se ele também for feito de alvenaria.

 

2 – Elétrica

Os fios devem ser planejados e passados logo após a alvenaria. Caso seja feito forro de gesso, fica mais fácil puxar os fios se eles já estiverem posicionados.

 

3 – Gesso

É algo que faz muita sujeira, então deve ser um dos primeiros itens da obra.

 

4 – Elétrica Novamente

Deve ser finalizado o que ficou faltando da parte elétrica, incluindo a iluminação embutida se for o caso.

 

5 – Piso

Se o piso for laminado, é nesse momento que ele entra em cena.

 

6 – Pintura

Após a “sujeira” da obra, podemos entrar com a pintura das paredes, tetos e portas.

 

7 – Móveis / Pedras

Com a pintura feita os moveis já podem ser instalados. As pedras podem ser instaladas andas ou depois dos móveis.

 

8 – Rodapés

Se o rodapé for de madeira ou plástico, ele deve ser instado após a pintura.

 

9 – Retoques

A pintura vai acabar manchando um pouco com as etapas anteriores, então sempre cabe um retoque ao final da obra.

 

10 – Decorar

Com a obra pronta, é colocar a criatividade para trabalhar e deixar o ambiente bem bonito.

 

Gostou do post? Gostaria de realizar um orçamento? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

 

Fonte: Minha Nova Casinha

Conheça as 3 etapas da limpeza pós-obra e seus benefícios

 

Depois de pronta, uma construção precisa passar por alguns processos antes de efetivamente ocorrer a entrega das chaves do imóvel para o cliente. É vital que seja feita a vistoria do imóvel, pois só com ela será possível averiguar se a construção atingiu seus objetivos construtivos planejados no projeto. Mas, antes da vistoria é preciso realizar a limpeza pós-obra.

A limpeza é o primeiro passo a ser seguido depois que a construção termina. Não é apenas uma questão estética, visto que só depois dela será possível averiguar de forma completa a qualidade dos serviços realizados. É comum que, no momento da limpeza pós-obra, se descubra defeitos e vícios construtivos, seja um azulejo trincado ou com argamassa colada nele, ou mesmo uma parede com problemas na pintura e acabamento.

Portanto, é de suma importância realizar a limpeza, uma vez que ela funciona como uma pré vistoria. Mas, é preciso levar em conta que a limpeza pós-obra não é uma simples faxina, pois os materiais de construção, como por exemplo o cimento, o gesso e as tintas, geralmente geram entulhos e sujeiras de difícil remoção, sendo preciso utilizar equipamentos, técnicas e produtos específicos. Além de assegurar o correto descarte.

Para que não haja avaria durante a realização dos serviços, a limpeza pós-obra deve ser realizada com cuidado por profissionais experientes e treinados. Além disso, entregar uma obra limpa é um grande pré-requisito para obter a melhor satisfação dos clientes, assim é provável que eles recomendem para outras pessoas.

Confira abaixo as três etapas para uma limpeza pós-obra eficiente:

 

Como ter uma limpeza no pós-obra eficiente?

Tenha um planejamento definido

As etapas da limpeza começam no momento em que a obra está sendo projetada. Os profissionais responsáveis pelo planejamento devem pensar e especificar como será feita a gestão dos resíduos gerados pela construção. Assim, no momento do pós-obra a equipe responsável pela limpeza poderá descartar a sujeira e os entulhos apropriadamente.

Já na etapa da execução da construção é preciso que os profissionais que realizam a obra façam limpezas periódicas, tirando a sujeira mais pesada e descartando os maiores entulhos no momento em que são gerados.

Alguns materiais de construção se tornam muito mais difíceis de limpar com o passar do tempo, como é o caso das argamassas e do concreto, logo retirar esse tipo de sujeira durante a construção é muito mais eficiente. Assim, evita-se o acúmulo excessivo de sujeira no final da construção, agilizando a limpeza pós-obra.

 

Escolha os produtos, os equipamentos e as técnicas corretas

Como a limpeza pós-construção envolve uma sujeira de difícil remoção, é preciso escolher produtos que possibilitem a limpeza de maneira eficiente e ágil. Saber quais tipos de materiais foram utilizados na obra é essencial, já que alguns só saem com determinados solventes.

Ainda, alguns materiais podem ser danificados se forem limpos com o produto errado, como o alumínio, por exemplo, que não deve ser limpo com cloro. Assim, evita-se também o risco de prejudicar os acabamentos da edificação.

Além da escolha dos materiais, os métodos e equipamentos de limpeza devem ser adequados para cada situação. Algumas manchas só serão totalmente retiradas utilizando uma lavadora de alta pressão, por exemplo. Já em outros casos a sujeira pode se encontrar em lugares altos, o que acarretará na necessidade de utilizar escadas. Portanto, é necessário planejar e escolher os equipamentos e as técnicas de limpeza corretas antes de iniciar a limpeza pós-obra.

 

Opte por uma mão de obra especializada

De nada adianta escolher os melhores materiais e equipamentos se não houver uma mão de obra qualificada para realizar a limpeza. Os profissionais responsáveis devem conhecer os produtos, os métodos que serão utilizados e devem saber operar os equipamentos de limpeza. Assim o serviço será feito com qualidade e de forma produtiva.

As empresas podem optar por qualificar seus profissionais para o serviço de limpeza pós-construção, no entanto esse investimento pode ser alto. Sendo assim, uma opção é contratar empresas especializadas em limpeza de materiais de construção civil. Seja qual for a alternativa, a escolha dos profissionais responsáveis pela limpeza acarretará diretamente na qualidade, na produtividade e nos custos dessa etapa e da obra em geral.

A limpeza pós-obra e a inspeção de qualidade estão diretamente ligadas, já que a fim de se avaliar de maneira mais eficiente a condição da edificação é preciso que esteja completamente limpa.

A norma de desempenho NBR 15575:2013 da ABNT aborda que os profissionais responsáveis pela limpeza devem ser estimulados para detectar problemas, principalmente aqueles ligados ao desempenho térmico e acústico. Logo, o serviço vai além da limpeza e contempla também uma pré avaliação das condições da construção.

Um pós-obra eficiente deve contar com uma limpeza e inspeção de qualidade, pois isso evita que vícios ou defeitos construtivos passem despercebidos e resultem em um posterior serviço de assistência técnica pós-obra.

O recomendado é que todos os problemas estejam resolvidos antes da entrega do imóvel para o consumidor, fazendo com que a excelência da empresa responsável pela construção seja elevada e evitando retrabalhos e custos desnecessários.

Portanto, as empresas responsáveis pela construção de edificações precisam planejar e executar com atenção a etapa da limpeza pós-obra. Com a escolha correta dos materiais, equipamentos, técnicas e da mão de obra especializada, a limpeza terá o melhor rendimento e qualidade.

 

Ficou alguma dúvida sobre como realizar uma limpeza pós-obra? Tem alguma sugestão de como melhorar ainda mais essa etapa? Fique de olho nas nossas postagens ou comente aqui embaixo e não se esqueça de assinar a nossa newsletter!

 

Fonte: Mobuss Construção

Aprenda como fazer orçamento de obra

Se você está planejando construir ou reformar, provavelmente está preocupado com os gastos que vai ter. Para acertar nas previsões, é preciso entender como fazer orçamento de obra e o que levar em conta na hora de calcular os gastos.

Se você já fez alguma obra sem o orçamento, provavelmente teve surpresas desagradáveis com os custos. Mesmo quem nunca fez uma reforma ou obra já ouviu falar sobre os contratempos desse tipo de intervenção.

A boa notícia é que fazendo o orçamento e o planejamento da forma correta, muitos desses problemas podem ser evitados.

Veja agora porque é importante cuidar desse tema e como fazer orçamento de obra!

A importância de fazer um orçamento de obra

O orçamento da obra é um momento crucial, pois é nele que se avalia se o dinheiro disponível realmente é suficiente para fazer tudo aquilo que é desejado. Se você começar a construir sem nem mesmo saber como fazer orçamento de obra, provavelmente vai estar em apuros em breve.

O primeiro ponto é saber quanto você tem disponível entre dinheiro guardado, cartões de crédito e eventualmente algum empréstimo ou financiamento. Esse valor deve ser seu objetivo limite, e você vai adaptar sua obra a ele. Fazer um orçamento é importante para:

– Garantir que você não gaste mais do que pode e entre em dívidas inesperadas;
– Assegurar que os itens mais importantes tenham prioridade e sejam executados, caso o orçamento não consiga englobar todos os itens desejados;
– Adaptar a construção à sua realidade financeira, trocando alguns itens e materiais para que caibam no seu bolso;
– Reduzir imprevistos e surpresas desagradáveis.

Enfim, saber como fazer orçamento de obra é uma premissa para qualquer pessoa que deseja construir ou reformar. Até mesmo profissionais de obra cometem o erro de não calcular corretamente os valores, mas isso não precisa acontecer com você.

Como fazer orçamento de obra

Agora que você já entendeu a importância dos planejamentos de custos para qualquer obra, é hora de começar a fazer as contas. Veja passo a passo como fazer orçamento de obra!

1. Determine o que vai ser feito na obra

O passo fundamental é determinar exatamente o que vai ser feito na obra. Se for uma construção do zero, você tem que ter um projeto completo assinado por um engenheiro.

Nesse projeto devem constar todas as informações sobre o imóvel a ser construído, áreas de cada cômodo, todos os materiais a serem utilizados, como o cal, gesso e até mesmo as lâmpadas, e assim por diante.

No caso de uma reforma, não necessariamente você precisa de um projeto completo. Se a reforma for apenas do ponto de vista estético, como renovação da pintura ou a troca de revestimentos, você pode fazer esse levantamento por conta própria.

Porém, vale dizer que a participação de um profissional como arquiteto, engenheiro ou decorador sempre agrega valor e eles geralmente têm uma boa ideia de como fazer orçamento de obra, o que pode ajudar você a economizar.

De todo jeito, com ou sem a supervisão de um profissional é importante determinar o escopo da obra. Antes de começar o orçamento, tenha uma decisão clara do que deve ser feito.

Você também pode separar os itens de acordo com a prioridade, de forma que você consiga destinar o dinheiro primeiro para aquilo que é mais importante.

2. Calcule as quantidades de material

Sabendo o que deve ser feito, é hora de calcular os materiais que serão gastos.

Para azulejos, revestimentos, pintura, e tudo mais que envolve pisos e paredes, você precisa saber a área onde será aplicada.

Para calcular a área de uma parede você deve multiplicar a largura pela altura. Se quiser ser mais preciso, você pode calcular a área das portas e janelas e descontar do resultado da primeira multiplicação. Para o piso, você precisa da largura e do comprimento.

Multiplique as duas medidas em metros e você terá a área em m². Como sempre há perdas e quebras, aumente a área encontrada em 10%. Some os valores da área de cada piso e você terá a área total do piso do imóvel. Com esse valor você já sabe a área de cada tipo de piso, azulejo, porcelanato ou revestimento que deve comprar.

Para as tintas, você deve somar as áreas das paredes e ainda multiplicar a área total número de demãos — geralmente são necessárias duas. Então, você multiplica a área das paredes por 2 e terá a área total a ser pintada.

O rendimento da tinta em m²/l costuma ser indicado pelo fabricante na embalagem. Você divide o rendimento indicado pela área total a ser pintada para saber quantos litros precisa comprar.

Para tijolos, o cálculo é parecido. Você precisa da área da parede a ser levantada e a medida de cada tijolo — isso depende de qual tipo de tijolo será usado. Dividindo a área da parede pela área de um tijolo você sabe quantos tijolos comprar.

Para outros itens como, cimento, areia, massa corrida, aço, entre outros, o valor vai variar de acordo com os detalhes técnicos da obra.

Você pode utilizar o auxílio de um profissional de engenharia ou arquitetura, um mestre de obras ou até mesmo dos vendedores das lojas de material de construção, pois eles têm uma boa ideia da quantidade e de como fazer orçamento de obra. Em todo caso, é importante sempre saber as áreas onde cada material será aplicado.

Não esqueça de incluir na lista de materiais os itens como, louças e metais, tomadas, portas e janelas, rodapés, instalações elétricas e hidráulicas, entre outros itens que serão trocados ou instalados durante a construção ou reforma.

3. Identifique quais serviços serão necessários

Além do material, você precisa saber quais tipos de serviços vão ser necessários. Se você não tem nenhuma experiência com obras, vai precisar da ajuda de algum amigo, um mestre de obras ou um pedreiro que saiba como fazer orçamento de obra.

Você precisará saber quantos dias, quantas pessoas e quais profissionais — pedreiro, ajudante, pintor, eletricista, encanador, entre outros — serão necessárias para executar o serviços.

4. Faça uma pesquisa de preços

Sabendo os materiais e os serviços necessários, é hora de partir para uma etapa importante — a pesquisa de preços. Os valores de materiais e serviços de construção variam consideravelmente entre uma loja e outra. Por isso, você não pode ter preguiça de procurar.

Saia à procura dos melhores preços, tente negociar descontos com os vendedores, procure mais de um profissional para fazer o orçamento. Em uma obra ou reforma de maior valor, qualquer percentual economizado já pode fazer uma boa diferença, portanto, pesquise bastante, seja online ou em lojas físicas.

5. Liste os demais custos

Agora você já tem os custos de material e de mão de obra, que são os maiores valores de uma obra. No entanto, existem alguns custos adicionais que também precisam entrar na conta, por exemplo:

– Gasto com projeto, documentação e autorização na prefeitura ou no condomínio;
– Aluguel de máquinas ou equipamentos;
– Pagamento para destinação dos resíduos e entulhos da obra;
– Se for necessário retirar seus pertences do imóvel, devem ser incluídos gastos com transporte e armazenamento;
– Gastos com reparos e imprevistos, por exemplo, remoção de vazamentos.

Mesmo tentando pensar em tudo, é bom deixar uma margem de segurança, pois quase sempre aparecem surpresas. Separar em torno de 10% do valor total da obra para esses casos.

6. Organize o orçamento de obras

Você agora já tem quase todos os custos da obra e já sabe quanto vai precisar desembolsar. Se o dinheiro que você tem disponível não é suficiente, é hora de rever a lista de prioridades e cortar itens que não são absolutamente necessários.

Outra opção é rever suas escolhas optando, por exemplo, por acabamentos mais em conta. O importante é que o total da obra seja condizente com o dinheiro que você tem disponível.

Para ter maior controle, você precisa organizar todos os dados que coletou. O ideal é usar uma planilha ou um aplicativo específico para fazer orçamento de obra. Na FazTudo.Online você consegue fazer um orçamento e encontrar os melhores profissionais para sua reforma, confira!

Separe os dados por categorias, como fundação, paredes, instalações elétricas, pintura, revestimento, pedreiro, eletricista ou o que mais fizer sentido dentro do escopo da sua obra. Coloque o valor que você encontrou durante a pesquisa como planejado.

7. Acompanhe a execução da obra

Você aprendeu como fazer orçamento de obra e listou tudo corretamente? Ótimo! Agora é hora de partir para a execução e lembrar que o orçamento existe, não apenas para a fase anterior à obra, mas deve ser usado também durante ela.

Anote todas as compras nas respectivas categorias e confira se os valores realizados estão dentro do valor planejado.

Se alguma categoria exceder o planejamento, é hora de ligar o alerta vermelho. Você vai precisar economizar em outra categoria, optar por outros materiais ou até mesmo rever o escopo da obra.

Acompanhe diariamente ou semanalmente todos os gastos para que a obra não saia do orçamento.

Como economizar ao realizar uma obra

Economizar é sempre bom e mesmo que o seu orçamento disponível seja alto, é sempre bom evitar gastos desnecessários para gastar com o que realmente importa.

Além de saber como fazer orçamento de obra e acompanhar constantemente durante e execução, há outras atitudes que você pode tomar, como:

– Oriente a equipe quanto ao manuseio e armazenamento correto dos materiais, evitando quebras e desperdício;
– Faça um cronograma de obras e confira se a equipe está atendendo aos prazos. Se a obra passar do prazo, o custo com mão de obra também vai aumentar;
– Seja inteligente na escolha dos acabamentos. É possível economizar comprando os itens certos sem abrir mão do requinte e da beleza;
– Opte por utilizar o mesmo tipo de piso em mais lugares. Comprando uma quantidade maior do mesmo material, você pode negociar o preço;
– Faça você mesmo alguns dos itens que não são tão complicados, como pintura de paredes;
– Além de pesquisar bastante os preços, fique de olho nas promoções;
– Estude comprar itens seminovos, como lustres, bancadas e pias, pois é possível encontrar itens em bom estado com preço mais em conta.

Gostou do post? Gostaria de realizar um orçamento? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

Fonte: Toca Obra

Lista de material de construção: veja como montar a sua!

Na hora de construir ou reformar, muitas pessoas não se atentam a um item fundamental: a lista de material de construção. Assim como quando vamos ao mercado, para planejar a sua obra é indispensável ter controle de quais itens serão necessários.

Além disso, esquecer de algum material pode custar caro. Afinal, você terá de pagar a mais pelo item por conta da urgência da demanda ou poderá atrasar alguma das etapas, justamente pela falta de algum produto básico.

 

Por que fazer a lista de material de construção?

Como você viu, a lista de material de construção é super importante para qualquer obra ou reforma. Afinal, com ela você evita esquecimentos, o que poderia resultar em pagar mais caro por determinados itens.

Além disso, ao saber tudo o que irá na sua obra, é mais fácil negociar com os comerciantes e conseguir preços mais atrativos para os materiais, o que resulta em maior economia.

Isso garante que a sua obra ficará dentro do orçamento disponível, evitando que uma etapa saia mais caro do que o planejado e impeça dar sequência nas demais fases.

Com a lista de material de construção em mãos, é possível:

– controlar melhor as quantidades de materiais por etapa;
– evitar esquecimentos;
– reduzir o desperdício;
– manter a obra dentro do orçamento;
– negociar com os comerciantes;
– economizar no preço dos materiais;
– entender quais itens são mais, ou menos importantes, e levar mais qualidade para a sua construção (sem que isso signifique pagar mais caro pelos produtos);
– controlar melhor a sua obra por completo, evitando surpresas desagradáveis.

Dicas para montar uma lista de material de construção

Para conseguir tudo isso, é importante que a sua lista seja bem feita e esteja de acordo com a realidade da sua obra e com a sua expectativa para a construção. Como essa não é uma etapa muito simples, reunimos dicas essenciais para te ajudar. Confira!

 

 

 

Divida a obra por categoria

O primeiro passo é saber em que fase a sua obra está. Afinal, em cada etapa existe uma necessidade diferente. Então, você poderá dividir a sua obra por categoria e montar uma lista de material de construção para cada fase. Por exemplo:

– estrutura: é o início da obra e compreende a fundação, com vigas, pilares e lajes. A lista geralmente envolve materiais básicos como cimento, brita, areia, vergalhões, pregos, escoras etc.;

– alvenaria: é nessa etapa que as paredes começam a ser levantadas e a obra passa a ganhar forma. É preciso investir em cimento, blocos de concreto, tijolos, graute, tubos de PVC, conduítes, fiação, quadros de distribuição, caixas de luz, emboço, reboco e outros;

– cobertura: é a fase do telhamento e do sistema de captação de água, sendo necessária a compra de telhas, madeiras, vigões, calhas, rufos, caibros, mantas térmicas, caixa d’água etc.;

– acabamento: é o momento de deixar a construção mais bonita e charmosa, comprando pisos, azulejos, louças sanitárias, portas e janelas, interruptores, tintas, portões, entre outros.

 

 

Analise a quantidade

Depois de saber quais itens devem integrar a sua lista de material de construção, é importante calcular corretamente a quantidade de cada um, evitando comprar a mais ou a menos (já que ambos poderão trazer prejuízos).

A principal dica é calcular os materiais necessários por etapas (seguindo a divisão que fizemos no tópico acima). E, claro, sempre conversar com o profissional responsável, que poderá te orientar melhor sobre as quantidades.

Você também poderá dividir os trabalhos por período, como atividades do dia e da semana, e planejar a quantidade dentro desses cronogramas – o que melhora o controle da quantidade necessária e evita o desperdício. E, não se esqueça de incluir um percentual a mais nesse cálculo, considerando as perdas.

Para não se perder financeiramente, tenha um teto limite do quanto poderá gastar, evitando ir além do orçamento e acabar se endividando antes de concluir a obra. É claro que esse valor precisa estar de acordo com a realidade de cada etapa.

 

 

Compare os diferentes orçamentos

Com a lista de material de construção pronta, é mais fácil analisar diferentes orçamentos, encontrando aquele que melhor se encaixe na sua realidade financeira e nos desejos para a obra.

A FazTudo.Online é uma parceira da FazTudo Engenharia e também tem como objetivo ajudar na sua construção e reforma. Com profissionais e serviços especializados oferecidos pela plataforma, você pode fazer um orçamento grátis e escolher a melhor opção.

Lembre-se sempre de analisar o custo-benefício de cada item, buscando por um material que seja de qualidade, tenha um bom preço e ainda agregue outros benefícios.

Por exemplo, às vezes pode compensar pagar um pouco mais caro em um produto se o vendedor fizer uma forma de pagamento diferenciada, trocar os produtos que sobrarem ou entregar de maneira mais rápida. De qualquer forma, todas essas questões precisam ser muito bem analisadas.

 

 

Armazene corretamente

Depois de comprar o necessário, é hora de armazenar muito bem esses materiais, evitando que eles estraguem ou se deteriorem. Antes mesmo de ir às compras, verifique se existe espaço suficiente na sua obra (ou em outro local) para esse armazenamento – e se esse espaço é adequado às necessidades dos produtos.

 

 

Conclusão

Como você viu, montar a lista de material de construção é extremamente importante em qualquer obra ou reforma. Afinal, ela evita esquecimentos, permite comparar orçamentos e também facilita na hora de manter a obra dentro do seu teto limite, garantindo que nada saia do controle.

Além de tudo isso, a lista evita desperdícios, já que permite o cálculo mais acertado da sua necessidade por etapa da obra ou de acordo com o cronograma dos profissionais.

 

Gostou do post? Gostaria de realizar um orçamento? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

 

Fonte: Toca Obra

Características Para Uma Construção Saudável

Para ter uma construção saudável, uma série de fatores se complementam. A importância dessa construção saudável está no simples fato dela te fornecer dias mais agradáveis, com um clima mais tranquilo, amenizando seu dia na escola, ou no trabalho, tornando possível a unificação da família, e com um cheiro agradável fornecer até mesmo a limpeza do seu interior. Um ambiente bem arejado e com uma bela vista, te fornece uma leveza somente explicada com a combinação dos itens abaixo:

CONFORTO ACÚSTICO

Para evitar ruídos vindos da rua e de outros lugares, uma casa acusticamente isolada é a solução ideal. Esses fato pode ser crucial para uma boa e relaxante noite de sono. Para alcançar essa vedação acústica serão necessárias janelas que tapem bem as entradas, pisos e revestimentos antirruídos.

VENTILAÇÃO

Ter uma ventilação cruzada pode ser uma das melhores maneiras para uma construção saudável. A renovação do ar é importante e pode ser realizada por um aparelho de ar-condicionado. Elementos que farão parte de sua casa requerem uma atenção especial pois emitem alguns compostos orgânicos voláteis que são prepuciais a saúde.

ILUMINAÇÃO NATURAL

A iluminação pode melhorar o astral de qualquer ambiente. Ambientes bem iluminados podem aumentar a performance dos seus estudos, do seu trabalho e diminuem até mesmo a sensação de cansaço que aumenta no dia a dia.

ARQUITETURA

A sensação e a conivência podem derivar da distribuição das cores no ambiente e da decoração feita na casa. Ambientes amplos são importantes, ainda mais ambientes integrados que incentivam a unificação dos moradores intensificando a sensação de aconchego e acolhimento.

LIMPEZA

A escolha dos produtos de limpeza faz uma diferença inimaginável no dia a dia, tenha sempre em mente usar produtos biodegradáveis e que não contém derivados do petróleo. Panelas de cerâmica são as melhores escolhas para compor seu ambiente.

Gostou do post? Gostaria de realizar um orçamento? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

Fonte: Reforma e Construção

Os 5 truques que todo mundo precisa saber sobre construção

 

Boa parte das dificuldades que vivemos no canteiro de obras são resultados da falta de planejamento, muitas vezes o cliente tem pressa ou os períodos de chuva reduzem a produtividade, mas todos querem a obra entregue de acordo com o cronograma, então, acompanhe aqui algumas ideias simples que melhorarão muito sua rotina!

1. Planeje a obra

Com o passar dos anos e das obras e a programação se torna mais fácil. Quando bem organizada, essa etapa impacta em menor índice de retrabalhos e mais rapidez para os serviços.
O planejamento deve considerar projetos, sequenciamento de atividades, organização e limpeza do canteiro.
A experiência de saber a ordem dos serviços, facilita muito essa etapa não é? Então aproveite todo o conhecimento que você já tem para programar passo a passo dos serviços a executar!

 

2. Pesquise os materiais utilizados

Os materiais estão sempre evoluindo, por isso, é importante acompanhar as inovações, verificar as tendências de mercado e conhecer os itens que podem facilitar seu dia a dia.
A pesquisa de materiais deve considerar também o levantamento de preços e aí temos dicas infalíveis:

– faça cotação em mais de um fornecedor, desta forma é possível comparar os valores encontrados;
– tente adquirir vários itens no mesmo local. Essa prática facilita a negociação e pode gerar descontos;
– programe a aquisição de insumos de acordo com o ritmo da obra.

3. Organize o canteiro de obras

Aproveite os espaços de armazenamento e disposição de materiais, essa prática pode lhe ajudar a aumentar a produtividade, economizando boa parte do tempo de deslocamento de materiais, equipamentos e pessoas dentro da obra você otimiza o serviço de sua equipe.
Pense também no recebimento e saída de matérias-primas. Disponha de forma ordenada os espaços como depósitos, escritórios, alojamentos, e demais ambientes de apoio. Ao organizar a logística do canteiro você melhora o ritmo de trabalho.
Por exemplo: deixe ao lado da betoneira os materiais utilizados no concreto (brita, areia, cimento e água), essa atitude simples diminui o vai e volta, portanto, o tempo de sua equipe se torna mais produtivo.

 

4. Avalie muito bem as instalações

As instalações elétricas e hidráulicas são muito delicadas e demandam muito tempo durante a execução, sendo assim, estude o projeto e planeje como irá executá-lo.
Também é muito importante conhecer os novos materiais existentes no mercado, muitos deles podem facilitar a instalação, além de, resultar em uma obra mais eficiente.

5. Escolha um cimento de qualidade

A qualidade dos insumos impacta diretamente no resultado da obra, portanto, nada de economia que resulte em perda de qualidade!
A importância do cimento está relacionada a resistência de toda edificação, ao utilizar um produto de baixa qualidade a estrutura pode ser comprometida. E também, um bom material facilita a trabalhabilidade, você como profissional experiente já sabe do impacto dessa escolha!

Gostou das dicas? Gostaria de agendar uma visita técnica? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

 

Fonte: Amigo Construtor

Trinca, rachadura ou fissura? Qual a diferença entre elas?

Saiba a diferença entre trinca, rachadura ou fissura e entenda o que acontece na parede da sua casa

 

 

Não importa se sua casa é nova ou velha, se você perceber o surgimento de uma marca na parede ou no teto, como uma aparente rachadura, a primeira coisa que deve se perguntar é: isso é realmente uma rachadura? Ou será uma fissura ou uma trinca?

Caso não saiba avaliar o problema, procure ajuda de um engenheiro civil ou converse com alguém que entende do assunto para fazer uma análise. Lembre-se: uma simples fissura na parede pode esconder um problema maior e não visível na estrutura da sua casa.

 

FISSURAS

 

 

Geralmente, são aberturas estreitas e alongadas na superfície de um material. As fissuras são, na maioria das vezes, de gravidade superficial, como um problema na pintura, na massa corrida ou no cimento queimado, o que não indica problemas estruturais no seu imóvel. No entanto, toda rachadura começa como uma fissura, por isso é importante ficar atento e observar se há evolução da fissura ao longo do tempo.

 

TRINCAS

 

 

Não importa se sua casa é nova ou velha, se você perceber o surgimento de uma marca na parede ou no teto, como uma aparente rachadura, a primeira coisa que deve se perguntar é: isso é realmente uma rachadura? Ou será uma fissura ou uma trinca?

Caso não saiba avaliar o problema, procure ajuda de um engenheiro civil ou converse com alguém que entende do assunto para fazer uma análise. Lembre-se: uma simples fissura na parede pode esconder um problema maior e não visível na estrutura da sua casa.

 

RACHADURAS

 

 

As rachaduras são aberturas maiores, mais profundas e acentuadas. São muito evidentes e facilmente perceptíveis. Para serem caracterizadas como rachaduras, as aberturas são de tal magnitude que vento, água e até luz passam através dos ambientes. Esse problema requer cuidado imediato.

Existem algumas razões para que essas aberturas? Fissura, trinca e rachadura? Aconteçam. Podemos citar algumas causas comuns para esses problemas:

– Retração de concreto, argamassa ou tinta: quanto mais água ou cimento houver na massa do concreto ou da argamassa, maior será essa retração, e esta pode ser observada por meio de fissuras. Outra situação é quando a tinta seca e apresenta retração, causando também fissuras na parede ou no teto.

– Dilatação: quando expostas ao sol, algumas partes da casa dilatam e retraem mais do que outras, causando possíveis fissuras. A laje, por exemplo, dilata bastante com o sol.

– Vibrações e trepidações: vibrações constantes podem afetar casas e edifícios. Exemplos disso são imóveis localizados onde há excesso de veículos trafegando na rua, acesso a metrô e inúmeras outras fontes.

Além dos poucos exemplos citados, há outras razões para fissuras, trincas e rachaduras surgirem. Problemas com o fluxo de água ou lençol freático, problemas de execução, problemas de projeto e muitos outros.

Se você tem um problema com trincas ou rachaduras, procure um especialista e requisite uma análise técnica de seu problema. Não tente descobrir o problema sozinho.

Gostou das dicas? Gostaria de agendar uma visita técnica? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

 

Fonte: Humber Seguros

Como começar a construção de uma casa?

A construção de uma casa é um processo complexo, especialmente para os leigos no assunto, que invariavelmente se deparam com situações inesperadas. Mas como tudo na vida, temos de “começar pelo começo”, assim, pretendemos oferecer abaixo algumas dicas de como iniciar a construção de uma casa ou quais os passos necessários para dar início ao projeto.

 

Terreno

 

A primeira coisa a considerar é o terreno, ele é uma espécie de norteador do projeto de construção da casa, já que suas características como tamanho, desnível, proporções, localização, tipo de solo, entre outros são fundamentais para a análise do que poderá ser feito e como isto deverá ser feito. Se você já tem o terreno essa análise deverá ser feita a partir dele, se não tem é necessário ficar de olho em tudo isso no momento da compra.

Outro aspecto importante é a preparação do terreno como a terraplenagem visando nivelar o solo para iniciar a construção. Há casos em que há a necessidade de tirar terra e em outros fazer o aterramento. Esta tarefa pode ser realizada mesmo antes de iniciar o projeto da casa em si ou pode ser parte do projeto.

Um detalhe muito importante sobre o nivelamento do terreno é que seja lá qual for o desnível dele, a construção precisa ser feita com pelo menos 50 centímetros acima do nível da guia da rua. Isto é necessário para permitir o escoamento da água pelas via pluviais e evitar que a água da rua, inclusive, venha a invadir o terreno e o espaço da sua casa.

Revisão do terreno:

– Tamanho
– Desnível
– Nivelamento / aterramento
– Localização
– Tipo de solo
– Altura do nível em relação a rua

 

Projeto

 

O projeto é a etapa onde você deverá esboçar o desenho da casa, considerando a quantidade de cômodos desejado, os pavimentos, etc. Feito isso você deve contratar um arquiteto que irá elaborar o projeto como um todo levando em consideração o esboço onde você descreve suas necessidades. Detalhe: muitos arquitetos podem não gostar muito de você fazer um esboço do desenho da casa, mas eu acredito que isso pode ajudar a você transmitir em forma de desenho as suas necessidades.

Arquiteto ou engenheiro? Na verdade você vai precisar dos dois. O recomendado é você contratar um arquiteto que cuidará de todo o projeto e encaminhará para o engenheiro a parte de compete a este.

Quando se fala em projeto é importante salientar que o mesmo não ficará restrito ao modelo da casa e a planta em si, mas que envolve muitos aspectos, como:

Parte elétrica: localização e quantidade de tomadas, interruptores, lâmpadas, tomadas 110 e 220, localização de ar condicionado, entre outros.
Parte hidráulica: Canos, localização na parede e no chão, posição de chuveiros, vaso sanitário, pias, lavanderia e outros. Também considera-se o escoamento da água, esgoto e outros.
Estética: Parte visual do imóveis com detalhes e formas arquitetônicas.
Planta baixa: divisão do espaço, cômodos, medidas e outros
Térmica e acústica: Posição dos quartos em relação ao sol e em relação à rua, entre outros.
– Entre outros recursos

 

Documentação

 

 

A documentação necessária envolve a escritura e o registro do terreno, caso você não a tenha ainda. Depois o próprio arquiteto ou o engenheiro irá providenciar junto a prefeitura a autorização para a construção mediante a análise do projeto e posteriormente após o término da obra o habite-se, que é uma autorização para ocupação do imóvel.

Normalmente a documentação é a seguinte:

Matrícula do imóvel: Deve ser requerida no cartório de registro de imóveis. Como não existe a construção, a matrícula é do terreno. Este documento é necessário para dar entrada no projeto da construção junto a prefeitura, por exemplo;
O projeto devidamente acordado com o arquiteto é submetido à prefeitura para aprovação e expedição do alvará de construção. Cada prefeitura tem seus prazos e procedimentos. Nas cidades onde há plano diretor, o projeto normalmente é analisado levando em conta o que determina o plano diretor;
– Expedido o alvará, você executa a construção da obra conforme determinado no projeto. Este documento é na verdade uma autorização da prefeitura para você fazer a obra. Ele indica que o seu projeto está aprovado e de acordo com as leis municipais para este fim;
– Após concluído a obra é necessário obter mais documentação. Desta vez é o Habite-se que uma autorização da prefeitura para ocupação da casa recém construída. O Habite-se é expedido após uma vistoria no imóvel para verificar se a construção foi feita de acordo com o projeto aprovado.

 

Mão de obra

 

 

Terreno ok, projeto ok, documentação ok, então é hora de colocar a mão na massa, ou melhor, contratar alguém para fazer isso. A mão de obra necessária para a construção dependerá do projeto, ou seja, você poderá contratar um construtor particular, também conhecido como pedreiro ou uma empresa construtora. Geralmente o primeiro caso é mais indicado para obras pequenas como casas simples, as construtoras cobram mais caro, mas conseguem executar a obra de maneira mais rápida e com gerenciamento total da construção.

Há basicamente três tipos de contratação de mão de obra

Por dia: Neste caso você paga por dia o pedreiro e administra toda a construção. É um método recomendado apenas para pequenas obras ou quando você não tem dinheiro para fazer tudo de uma única vez. Foram isso não é a melhor opção.
Por etapa: Neste caso você contrata o pedreiro ou empreiteiro para fazer cada etapa individualmente, inclusive com a possibilidade de contratar pessoas diferentes para etapas diferentes. Por exemplo: um pedreiro para fazer a alvenaria, um carpinteiro para fazer o telhado, um eletricista para fazer a parte elétrica, em encanador para fazer a parte hidráulica e assim por diante.
Este é um método interessante, mas precisa ser bem administrado e requer mais dedicação sua na contratação, acompanhamento e interação entre as equipes de trabalho.
Obra fechada: Existe os empreiteiros que pegam a obra inteira para fazer, excluindo apenas algumas, como pintura e parte elétrica, por exemplo. É uma boa opção pois você já fica sabendo quanto irá gastar de mão de obra antes mesmo de começar a construção e com isso tem também uma única equipe trabalhando.

Gostou das dicas? Gostaria de realizar um orçamento? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

Fonte: Casas Dicas

DICAS PARA PLANEJAMENTO DE OBRA

 

Confira aqui Dicas para Planejamento de Obra para sua obra ficar mais econômica e sem surpresas, acerte na escolha do arquiteto ou engenheiro e desfrute de uma obra sem Stress.

Construir ou reformar um imóvel é sempre um processo que requer disposição por parte de quem encomenda a obra, mas com as dicas, vai ficar mais fácil. E quem está construindo ou reformando deve acompanhar todo o processo, incluindo a etapa do planejamento.

Acompanhar a obra evita problemas posteriores, além de garantir que os serviços estão sendo feitos como o combinado – tanto no que se refere à qualidade quanto nos prazos previstos, por isso as Dicas para Planejamento são muito importante para quem vai construir pela primeira vez.

Mesmo que você tenha contratado uma empresa especializada e de ótima reputação no mercado, é importante fazer esse acompanhamento pessoalmente. Para facilitar, confira algumas aqui Dicas para Planejamento de Obra.

 

1 – Projeto de Arquitetura da obra

O projeto de Arquitetura da Obra é o inicio de tudo, a fase mais importante de uma obra, pois faz parte de um planejamento de serviços que serão executados por profissionais de construção civil de diversas áreas, o Projeto de Arquitetura da Obra é uma ferramenta muito importante, pois é o que vai servir como base para o andamento de todo o processo da obra. É importante buscar profissionais que realizam o projetos que sejam qualificados e tenham experiencia com o serviço que você deseja, pois esses profissionais de projetos (Engenheiros e Arquitetos) são as pessoas que mais entendem do que é possível ou não fazer em uma construção e reforma ou decoração, são eles quem podem lhe oferecer as Dicas para Planejamento de Obra.

Ainda assim, dê sugestões e solucione todas as dúvidas, antes de aprovar o projeto. Quando ele estiver finalizado, tenha sempre uma cópia do que será feito na obra.

 

2 – Anote e guarde

Na fase do planejamento da obra essa Dica para Planejamento de Obra, não deixe de tomar nota de coisas importantes, como: materiais que serão usados, quantidades, preços e outros dados.

Registre também cálculos sobre custos de materiais, mão de obra, taxas e tarifas, entre outras contas. Também guarde orçamentos separados, ou seja, do que está previsto: custos com materiais, custos com profissionais, custos com a prefeitura (se houver), entre outros encargos.

Existem profissionais especializados em desenvolver o custo real e detalhado de cada obra, através de planilhas de custo físico financeira, essas planilhas são obrigatórias para quem vai fazer uma construção financiada, mas também ajudam muito quem vai construir com recursos próprios para poder se orientar em relação as despesas da obra.

Não se esqueça de também guardar cupons e notas fiscais, recibos, orçamentos recebidos, contratos, contato das pessoas que trabalharão na construção ou reforma e qualquer tipo de documento relativo à obra.

 

3 – Compras

Participe da lista de compras e dê sugestões de variações de materiais, cores, marcas, preços. Exija que os materiais sejam comprados conforme o prometido e procure estar presente no momento da aquisição dos materiais mais importantes, Consulte sempre seu Arquiteto para as Dicas para Planejamento dos Materiais que serão utilizados na Obra.

Além disso, sobre o valor total das compras, calcule cerca de 20%. Este será o custo aproximado de materiais que possivelmente terão de ser adquiridos depois da obra ter se iniciado.

 

4 – Bom relacionamento

Como em qualquer relação comercial e de prestação de serviços é importante que exista respeito e transparência de ambas as partes: contratante e contratados. Essa Dica para Planejamento de Obra, Evite discussões, acusações e outras deselegâncias que em nada ajudam a solucionar possíveis impasses e ainda podem colocar em risco a qualidade do trabalho das pessoas que atuam na sua obra.

 

5 – Contratos

É de extrema importância formalizar um contrato com a empresa que prestará o serviço de construção ou reforma. Projeto, preços, prazos e outras informações devem constar no documento.

Também não deixe de providenciar um contrato diferente caso contrate mais de uma empresa ou profissionais autônomos para trabalhar na obra. Isso evita problemas posteriores em relação a custos, prazos e qualidade do serviço.

 

6 – Visita ao local

Por fim, é importante sempre visitar o local – ainda que a obra esteja em fase de planejamento. Assim que a construção ou reforma começar, não deixe de passar na obra constantemente, para avaliar se o andamento do trabalho segue como o previsto e tire sempre qualquer dúvida sobre a sua construção que está sendo feita.

 

Gostou das dicas? Gostaria de realizar uma reforma ou obra em seu imóvel? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

 

Fonte: Sua Obra

Tudo sobre cooktop: tire todas as suas dúvidas

Na busca por uma cozinha que além de bonita e elegante, também é funcional e otimizada? Então, é claro que não pode faltar um fogão cooktop, não é? Esses eletrodomésticos são sinônimos de praticidade e alta performance e, além disso, são perfeitos para incrementar a decoração da sua cozinha, deixando-a mais moderna. Ainda está na dúvida? Então, confira o nosso post e saiba tudo sobre cooktop!

Como funcionam os cooktops?

A primeira coisa que você precisa saber sobre o cooktop é que ele possui três modelos diferentes de funcionamento: à gás, elétrico e por indução. Cada um possui características e performances diferentes, portanto, vamos explicar um a um para você entender melhor.

O cooktop à gás, como o nome já indica, funciona de forma bem parecida com os fogões tradicionais: ele produz uma chama que é alimentada por GLP, o famoso gás de cozinha. Ele também possui duas opções de acendimento: manual e elétrico – mesmo se uma queda de luz, por exemplo, você conseguirá operá-lo normalmente.

Cooktop Tramontina Standard – 4 Bocas – Chama Rápida – Bivolt

Já o cooktop elétrico funciona à base de eletricidade e dispensa o uso de gás, uma vez que não produz chama. O aquecimento nesses aparelhos é gerado através de uma resistência (bem parecida com aquelas de chuveiro) que transforma a eletricidade em calor, garantindo temperaturas ainda mais precisas. Outra característica deste eletrodoméstico é a sua superfície totalmente plana.

Cooktop Tramontina Touch Control 4 Bocas Chama Rápida 220V

O cooktop por indução também pode ser considerado um modelo elétrico, mas com uma importante diferença: nesse aparelho, o calor é gerado por meio de correntes eletromagnéticas. Basicamente, ele cria um campo magnético quando a panela entra em contato com a sua superfície, transferindo o calor dos queimadores diretamente para o fundo da panela. Assim, o cooktop por indução é considerado o modelo mais moderno e eficiente.

Cooktop Tramontina Square Touch Vitrocerâmico – 4 Bocas – Indução – Preto – 220V

Dá para usar qualquer panela?

Uma dúvida muito comum ao trocar o fogão tradicional por um cooktop é se você poderá continuar utilizando as mesmas panelas. A resposta é: depende. Nos modelos com funcionamento à gás, você pode utilizar qualquer panela que usaria no seu antigo fogão (de ferro, cerâmica, vidro etc). Já para os modelos elétricos, a única restrição é que a panela deve ter fundo reforçado e plano, de forma a garantir um cozimento mais uniforme.

Agora, se você escolher um cooktop por indução, provavelmente terá que dar adeus às suas antigas panelas. Isso porque, como esse modelo funciona apenas por correntes eletromagnéticas, a panela precisa ser compatível com essa função. Em geral, podem ser utilizadas aquelas feitas com aço multicamadas ou de ferro fundido. Para ficar mais fácil, você pode fazer o teste com um imã – se ele grudar no fundo da panela, ela pode ser utilizada!

Fogão Cooktop por Indução

Cooktop gasta muita energia?

Ao adquirir um cooktop, é importante você levar em consideração que esse eletrodoméstico gera, sim, um gasto a mais de energia elétrica. Os modelos à gás só usam eletricidade no acendimento automático e também funcionam no modo manual, portanto, são mais econômicos nesse aspecto.

Mas isso não quer dizer que um fogão cooktop elétrico irá encarecer muito a sua conta de luz! Em geral, esses aparelhos gastam praticamente a mesma quantidade de energia que um chuveiro elétrico – e é sempre válido lembrar que eles não utilizam gás, portanto, você acabará economizando e, simultaneamente, terá uma performance ainda mais eficiente no cozimento.

Quais as vantagens em relação ao fogão convencional?

Além das características que já citamos acima, existem diversos outros pontos que colocam o cooktop em vantagem na comparação com o fogão convencional. Por exemplo, o cooktop ocupa menos espaço: ele possui um design moderno e compacto e pode ser instalado em praticamente qualquer lugar da cozinha, otimizando ainda mais o ambiente.

Alguns modelos também cozinham mais rápido que os fogões clássicos, pois permitem maior controle de temperatura e também não liberam calor no ambiente – portanto, não há desperdício. Além disso, modelos aqueles com funcionamento por indução evitam acidentes domésticos, uma vez que só geram calor em contato com a panela – você pode, inclusive, encostar a sua mão na superfície do cooktop sem se queimar.

A falta de forno embutido pode ser considerada uma desvantagem, pois você precisará comprar os dois eletrodomésticos separadamente (um fogão cooktop e um forno). Mas, olhando por outro lado, isso também pode ser uma vantagem: dessa forma, você pode instalar o seu forno onde desejar, priorizando a otimização do espaço e o uso mais fácil.

Como instalar o cooktop?

A instalação do seu cooktop dependerá do modelo escolhido, mas, em geral, ela é superprática! O aparelho pode ser acoplado a um móvel da sua cozinha, como um armário ou uma bancada, por exemplo. Mas é importante ter alguns cuidados: o material sobre o qual o eletrodoméstico ficará deve ter espessura de 2 a 6 cm e ser feito de material resistente a altas temperaturas (como o granito, por exemplo).

Alguns modelos de cooktop elétrico podem precisar de uma tomada exclusiva e outros, inclusive, devem ser instalados diretamente na rede elétrica, afinal, tratam-se de aparelhos de alto rendimento. Portanto, é muito importante verificar o manual antes de iniciar a instalação e, de preferência, contratar mão de obra especializada.

Gostou do que viu? Gostaria de instalar em seu imovel? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

Fonte: Web Continental