8 dicas para não estourar o orçamento na reforma da casa

Está pensando em reformar a casa? Saiba que este é um sonho possível! Confira agora 8 dicas para não estourar o orçamento e reformar sem medo.

 

 

Está pensando em reformar a casa mas está com medo de extrapolar nos gastos e se arrepender depois? Pode ficar tranquilo que, com algumas atitudes simples, você consegue controlar os gastos com a reforma e realiza seu desejo sem ficar se preocupando em se perder com dívidas.

Você sabia que a maioria dos problemas com custos de obras acontecem porque o dono da casa muda de ideia sobre o que gostaria de fazer depois que a reforma já começou? Para evitar que isso aconteça com você, saiba que é muito importante planejar.

Confira nossas dicas e realize o sonho de reformar a sua casa sem medo!

1. Coloque todas as mudanças que você quer fazer em um papel

Está é a forma mais eficaz de vai saber se a grana que tem é suficiente para fazer tudo que precisa. Além disso, é importante listar as necessidades e os desejos, desta forma, você consegue organizar melhor o que você realmente precisa fazer e o que você gostaria de fazer, mas não precisa ser exatamente agora.

 

2. Escolha com cuidado o profissional que vai realizar a obra

Procure a opinião de alguém que já fez reforma com essa pessoa, assim você terá mais segurança sobre o trabalho e saberá se ela cumpre prazos, afinal, alguns profissionais cobram pelo dia de trabalho e, quanto maior o tempo da reforma, mais você terá de pagar para ele.

 

3. Peça ajuda de algum amigo que entenda do assunto

É legal uma pessoa mais experiente dê uma olhada no plano da obra e acompanhe com você o andamento, para evitar problemas. Além disso, quem já está acostumado com este tipo de coisa sempre tem dicas de onde você consegue comprar materiais mais baratos, tudo baseado em experiência própria. Vale a pena tentar!

 

4. Pesquise o material de construção em vários lugares

Buscar em lojas diferentes ajuda a encontrar o melhor preço e para os melhores produtos. Afinal, o barato pode sair caro! Além disso, se você for pagar pelo material à vista, pode pechinchar para conseguir descontos no valor total da compra.

 

5. Leve em consideração a estação do ano

Estações chuvosas podem atrasar sua reforma e te fazer gastar mais com mão de obra. Avalie as condições climáticas da sua cidade antes de começar a reforma e, se estiver passando por uma época assim, procure adiar um pouco o início dos trabalhos.

 

6. Evite comprar os materiais no final do ano

As pessoas costumam usar o 13º salário para começar a reforma da casa. Com isso, as lojas de material de construção sobem o preço dos produtos no final do ano. Por isso, se você não tiver tanta pressa assim para começar a reforma, o ideal é esperar um pouco e começar a reforma depois.

 

7. Mãos à obra!

Por quê pagar para alguém fazer uma coisa que você mesmo pode fazer sem muito esforço? Afinal, lixar e pintar uma parede não é lá uma missão tão difícil assim! Além disso, ainda existem diversos tutoriais disponíveis na internet que ensinam a fazer este tipo de atividade sem muita dor de cabeça.

 

8. Use a criatividade

Reciclar objetos e móveis antigos pode ser a solução para quem deseja inovar sem gastar muito. Você pode pegar aquela cômoda velha que te incomoda só de olhar e mudar a cor, fazer uns detalhes na pintura ou usar um adesivo diferente e pronto! Não vai nem se lembrar de como ela era.

 

Gostou do post? Gostaria de realizar um orçamento para sua reforma? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

Fonte: Konkero

Características Para Uma Construção Saudável

Para ter uma construção saudável, uma série de fatores se complementam. A importância dessa construção saudável está no simples fato dela te fornecer dias mais agradáveis, com um clima mais tranquilo, amenizando seu dia na escola, ou no trabalho, tornando possível a unificação da família, e com um cheiro agradável fornecer até mesmo a limpeza do seu interior. Um ambiente bem arejado e com uma bela vista, te fornece uma leveza somente explicada com a combinação dos itens abaixo:

CONFORTO ACÚSTICO

Para evitar ruídos vindos da rua e de outros lugares, uma casa acusticamente isolada é a solução ideal. Esses fato pode ser crucial para uma boa e relaxante noite de sono. Para alcançar essa vedação acústica serão necessárias janelas que tapem bem as entradas, pisos e revestimentos antirruídos.

VENTILAÇÃO

Ter uma ventilação cruzada pode ser uma das melhores maneiras para uma construção saudável. A renovação do ar é importante e pode ser realizada por um aparelho de ar-condicionado. Elementos que farão parte de sua casa requerem uma atenção especial pois emitem alguns compostos orgânicos voláteis que são prepuciais a saúde.

ILUMINAÇÃO NATURAL

A iluminação pode melhorar o astral de qualquer ambiente. Ambientes bem iluminados podem aumentar a performance dos seus estudos, do seu trabalho e diminuem até mesmo a sensação de cansaço que aumenta no dia a dia.

ARQUITETURA

A sensação e a conivência podem derivar da distribuição das cores no ambiente e da decoração feita na casa. Ambientes amplos são importantes, ainda mais ambientes integrados que incentivam a unificação dos moradores intensificando a sensação de aconchego e acolhimento.

LIMPEZA

A escolha dos produtos de limpeza faz uma diferença inimaginável no dia a dia, tenha sempre em mente usar produtos biodegradáveis e que não contém derivados do petróleo. Panelas de cerâmica são as melhores escolhas para compor seu ambiente.

Gostou do post? Gostaria de realizar um orçamento? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

Fonte: Reforma e Construção

5 dicas para criar uma iluminação de sala de TV prática e aconchegante

Um bom home theater é perfeito para oferecer momentos de lazer e descontração entre amigos e família, não é mesmo?

Ele permite que você assista aos seus programas ou filmes favoritos de uma forma muito mais realista.

A luz, quando bem planejada, ajuda na visualização do conteúdo reproduzido na tela. Além de valorizar a arquitetura, a iluminação correta deste espaço é essencial para um ambiente mais aconchegante.

Quer aprender a criar a iluminação de sala de TV ideal? Acompanhe as dicas que separamos para você e evite erros!

1- Utilize spots de teto

Os focos de luz sobre o home theater devem ser posicionados apenas nas sancas ou em pequenos spots no teto. Aqui, o ideal é que possuam dimmers para reduzir ou aumentar a claridade sobre a tela da TV.

 

 

Mas você deve estar atento a duas regras:

Regra 1: nunca coloque um spot em cima da TV!
Regra 2: tente minimizar os possíveis pontos de reflexo na tela, crie uma luz confortável, com opção de controle de nível de iluminância.

2- Invista em arandelas nas laterais

O home theater necessita de uma iluminação geral para o dia a dia. Utilize uma fonte de luz como arandelas nas laterais. Esse tipo de iluminação com luz indireta traz conforto visual sem interferir na imagem da TV.

 

 

3- Ilumine os nichos

Os spots embutidos sempre serão uma boa opção, pois possuem uma luz suave e indireta. Fique atento ao posicionamento para que não incida luz diretamente sobre a tela.

Os nichos podem ter uma iluminação com minidicroicas, que possibilitam uma iluminação mais baixa e diferenciada no local.

Sancas ou aberturas de luz sobre o home theater permite um controle na intensidade da luz e criam “cenas” interessantes no local.

4- Aposte em sistemas de iluminação para balizamento

A ideia é ter dois circuitos, no mínimo, um para a luz geral e outro para os balizadores.

A função dos balizadores é criar uma cena “cinema” onde a luz geral fica apagada, contudo o piso fica iluminado, permitindo uma circulação segura.

Pode se apostar em diversas soluções para fazer o balizamento, desde balizadores embutidos de parede até fitas de led incorporadas na parte de baixo dos móveis.

 

 

Devem ser utilizados modelos de baixo fluxo luminoso, pois o objetivo é criar um contraste bem acentuado com a luz da tela.

E por incrível que pareça modelos de apenas 1 watt de potência com fluxo em torno de 50 lúmens são capazes de iluminar bastante.

O que ocorre é que existe uma adaptação visual, o olho faz isso de forma contínua com o nível de iluminância do ambiente.

No caso de um ambiente mais escuro, como uma sala de TV no modo cinema, os olhos vão dilatar a pupila, permitindo uma entrada de luz maior, por isso peças de baixa intensidade já são suficiente.

Vale considerar que essa adaptação é lenta e pode levar até 10 minutos.

Aposte em diversas soluções simultâneas, por exemplo luz para balizamento, luz geral indireta, luz de destaque com spot e luz na marcenaria decorativa.

Você ainda pode utilizar peças decorativas como arandelas, abajures e lustres.

Aposte em todos esses sistemas dimerizáveis para ter o ajuste fino da iluminação. Com um projeto luminotécnico bem elaborado a sua sala de TV vai ficar linda e funcional.

5- Utilize fontes de luz com baixa intensidade

Utilizar fontes de luz com baixa intensidade direcionadas para o teto ou para baixo possibilita um contraste na composição e controle da fonte de luz sobre a TV.

Spots utilizados nas laterais não refletem sobre a tela. O indicado é não utilizar em cima da TV para que não prejudique o contraste.

 

 

A iluminação traseira costuma ser uma grande aliada dos home theaters. Esse tipo de iluminação, chamada, dimming, pode ser utilizada com fitas de led, permitindo uma redução de energia de até 40%.

O spot sobreposto é indicados apenas quando há a necessidade de criar efeitos sobre o teto ou algum elemento de destaque do local, porém não direcionando para a TV.

O Spot duplo sobre o home theater permite um efeito arquitetônico interessante quando direcionado sobre elementos decorativos.

Escolher uma luz para sala de TV nem sempre é tarefa fácil, mas com nossas dicas você vai arrasar na iluminação desse ambiente.

Gostou das nossas informações sobre iluminação de sala de TV?? Gostaria de um orçamento? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

 

Fonte: Viva e Decora

Conheça os principais tipos de forro e escolha o ideal para seu lar

Ao construir ou reformar uma casa, é comum surgirem inúmeras dúvidas. Um dos questionamentos mais recorrentes, nesse contexto é: entre os vários tipos de forro, qual escolher?

E não é para menos! Se utilizados de maneira correta, os forros contribuem para a estética do projeto (escondendo vigas, dutos elétricos etc.) e para o conforto térmico e acústico dos moradores da residência.

Quer saber mais sobre o assunto? Então, continue conosco! A seguir, vamos mostrar as particularidades dos principais materiais para forros existentes no mercado. Acompanhe!

 

Gesso

 

 

O gesso é, sem dúvida, o material mais utilizado para forro. Existem dois tipos: o tradicional, em que as placas são presas lado a lado por uma estrutura de arame; e o drywall (acartonado), em que as estruturas são fixadas em uma placa de metal.
O forro de gesso possibilita a criação de inúmeras formas e desenhos no teto — como as tradicionais sancas. Além disso, o material é um excelente aliado dos projetos de iluminação embutida — é o tipo ideal para quem pretende fazer diversas reformas dentro de casa.

Vantagens

– a instalação do gesso acartonado é rápida e não faz sujeira;
– é fácil encontrar lojas e profissionais que trabalhem com gesso;
– é possível embutir fios, esconder vigas e outras imperfeições;
– possui um bom custo-benefício;
– o acabamento é elegante e o isolamento térmico e acústico é satisfatório.

Desvantagens

– a instalação do gesso tradicional faz bastante sujeira;
– as placas costumam absorver umidade;
– o forro está propenso à trincas e rachaduras, além da proliferação de fungos e bactérias;
– a remoção é destrutiva.

Madeira

 

Elegantes, os forros de madeira são ideias para quem busca sofisticação. A instalação — feita com ripas pregadas ou parafusadas — é bastante simples. Além disso, o conforto térmico e acústico é um diferencial desse material.

Se você está disposto a investir em um material de alta qualidade, esse é um dos melhores tipos de forro que você tem à sua disposição.

Vantagens

– recebe diversos acabamentos (vernizes, tintas etc.);
– possui um bom isolamento térmico e acústico;
– a instalação é rápida;
– pode ser usado em ambientes internos e externos;
– o forro apresenta alto apelo estético.

Desvantagens

– baixa resistência ao fogo e à umidade;
– necessita de manutenção periódica para evitar cupins.

 

PVC

 

 

Com excelente custo-benefício, o forro de PVC é fácil de instalar e de limpar (a higienização é feita apenas com detergente neutro e água). Além disso, o material é dispensa outros acabamentos (como a tinta) e é imune ao ataque de cupins. Provavelmente a opção mais prática para quem não quer se preocupar muito com a conservação do produto.

Vantagens

– a instalação é fácil, rápida e não faz sujeira;
– possui um bom custo-benefício;
– não necessita de manutenção periódica;
– é durável, reciclável, prático e versátil.

Desvantagens

– a capacidade de isolamento térmico e acústico é mediana;
– em relação a funcionalidade estética, não é muito atraente;

 

Fibra mineral

 

 

Muito utilizada em comércios e prédios públicos, a fibra mineral é um excelente isolante térmico e acústico. Além disso, seu acabamento tem boa capacidade de refletir a luz do dia, o que gera economia no fim do mês — afinal, não há a necessidade de lâmpadas. Um dos tipos de forro mais adequados para quem buscar uma casa mais ecológica.

Vantagens

– alta capacidade de isolamento térmico e acústico;
– é capaz de refletir a luz, gerando economia de energia;
– não desenvolve fungos ou bactérias;
– é resistente ao fogo.

Desvantagens

– possui baixa resistência à umidade, o que pode causar manchas;
– é difícil de limpar.

 

Forro de cimento ou concreto

 

 

Para algumas pessoas, deixar a base de concreto no teto aparente não é uma opção muito bonita. Porém, nada impede você de usar um visual mais “industrial”, deixando a laje de concreto ou cimento aparente e planejando a decoração da casa de acordo. Para todos os efeitos, você mal terá que fazer qualquer reforma.

Vantagens

– não exige pintura: quando você escolhe este forro, geralmente já está buscando a estética do cimento para sua casa. Sendo assim, não há grandes motivos para investir em nenhuma pintura. A estética já está perfeita logo de cara;
– menor custo de instalação: normalmente, é necessário fazer um rebaixamento na laje para inserir o forro. Porém, como tudo que será feito é a aplicação do concreto,

– não há necessidade nenhuma de rebaixar;
– resistente à umidade: concreto e cimento também são bastante impermeáveis, ajudando quem precisa manter a casa seca.

Desvantagens

– Ambiente mais escuro: cimento e concreto também absorvem muita luz, o que pode dificultar um pouco a iluminação da sua casa.

 

Forro metálico

 

Esse foi um dos tipos de forro mais populares em estabelecimentos comerciais na década de 1960, mas também é utilizado nos tempos atuais. Apresenta as principais qualidades de preservação que a maioria dos ambientes precisa e também tem uma aparência bem marcante.

Vantagens

– resistente a pragas: cupins e traças dificilmente se alojam em um forro de metal. Se você tem problemas com bichos assim, pode valer a pena investir neste forro;
– baixa umidade: o metal também é um bom isolamento para a umidade, pois não apresenta poros;
– fácil de remover: caso você precise fazer uma nova reforma ou substituir o forro, é bem fácil remover as placas de metal e instalar novas.

Desvantagens

– isolamento térmico e acústico fracos: metais conduzem som e calor com muita facilidade. Em um dia quente, é provável que o espaço interno fique muito abafado. Se houver muito barulho ao redor, o metal pode até ampliar o som;
– problemas com a maresia: misturar metal com água do mar é sempre uma ideia ruim. Se a casa fica em uma região costeira, é melhor buscar opções que não enferrujem.

 

Forro de isopor

 

Em ambientes comerciais ou locais muito amplos, vale a pena escolher tipos de forro de menor custo e melhor resultado. Esse é o caso do isopor. Se você visitar algumas lojas e ambientes similares, certamente verá que, em algumas delas, o teto é forrado com esse material.

Vantagens

– baixo custo: isopor é um material consideravelmente mais barato em comparação com madeira ou metal. Dependendo do seu orçamento, pode valer a pena escolher essa opção;
– bom isolamento acústico e térmico: o isopor também é ótimo para isolar o ambiente de sons e calor externos. Especialmente espaços onde você não quer que haja muito eco.

Desvantagens

– baixa resistência a fogo: apesar do isolamento térmico, o isopor também é bastante inflamável em altas temperaturas. Se o ambiente em questão possui alto risco de incêndio, esse forro pode aumentar as proporções do acidente.

 

Como vocês viram, cada revestimento possui as suas particularidades. Por isso, o ideal é pesquisar bastante e escolher a opção que mais atende às necessidades de sua casa. Na dúvida, não deixe de se informar em lojas especializadas.

Agora que você já conhece os principais tipos de forro, pode escolher o melhor para suas necessidades. Se quiser continuar bem informado, assine a nossa newsletter e receba outras dicas sobre construção e reforma!

 

Fonte: Verona

Os 5 truques que todo mundo precisa saber sobre construção

 

Boa parte das dificuldades que vivemos no canteiro de obras são resultados da falta de planejamento, muitas vezes o cliente tem pressa ou os períodos de chuva reduzem a produtividade, mas todos querem a obra entregue de acordo com o cronograma, então, acompanhe aqui algumas ideias simples que melhorarão muito sua rotina!

1. Planeje a obra

Com o passar dos anos e das obras e a programação se torna mais fácil. Quando bem organizada, essa etapa impacta em menor índice de retrabalhos e mais rapidez para os serviços.
O planejamento deve considerar projetos, sequenciamento de atividades, organização e limpeza do canteiro.
A experiência de saber a ordem dos serviços, facilita muito essa etapa não é? Então aproveite todo o conhecimento que você já tem para programar passo a passo dos serviços a executar!

 

2. Pesquise os materiais utilizados

Os materiais estão sempre evoluindo, por isso, é importante acompanhar as inovações, verificar as tendências de mercado e conhecer os itens que podem facilitar seu dia a dia.
A pesquisa de materiais deve considerar também o levantamento de preços e aí temos dicas infalíveis:

– faça cotação em mais de um fornecedor, desta forma é possível comparar os valores encontrados;
– tente adquirir vários itens no mesmo local. Essa prática facilita a negociação e pode gerar descontos;
– programe a aquisição de insumos de acordo com o ritmo da obra.

3. Organize o canteiro de obras

Aproveite os espaços de armazenamento e disposição de materiais, essa prática pode lhe ajudar a aumentar a produtividade, economizando boa parte do tempo de deslocamento de materiais, equipamentos e pessoas dentro da obra você otimiza o serviço de sua equipe.
Pense também no recebimento e saída de matérias-primas. Disponha de forma ordenada os espaços como depósitos, escritórios, alojamentos, e demais ambientes de apoio. Ao organizar a logística do canteiro você melhora o ritmo de trabalho.
Por exemplo: deixe ao lado da betoneira os materiais utilizados no concreto (brita, areia, cimento e água), essa atitude simples diminui o vai e volta, portanto, o tempo de sua equipe se torna mais produtivo.

 

4. Avalie muito bem as instalações

As instalações elétricas e hidráulicas são muito delicadas e demandam muito tempo durante a execução, sendo assim, estude o projeto e planeje como irá executá-lo.
Também é muito importante conhecer os novos materiais existentes no mercado, muitos deles podem facilitar a instalação, além de, resultar em uma obra mais eficiente.

5. Escolha um cimento de qualidade

A qualidade dos insumos impacta diretamente no resultado da obra, portanto, nada de economia que resulte em perda de qualidade!
A importância do cimento está relacionada a resistência de toda edificação, ao utilizar um produto de baixa qualidade a estrutura pode ser comprometida. E também, um bom material facilita a trabalhabilidade, você como profissional experiente já sabe do impacto dessa escolha!

Gostou das dicas? Gostaria de agendar uma visita técnica? Entre em contato conosco e não deixe de assinar a nossa newsletter!

 

Fonte: Amigo Construtor